Miguel Oliveira: «Sempre que corremos em molhado, sou muito rápido»

2 out, 11:25
Miguel Oliveira (Photo by MANAN VATSYAYANA/AFP via Getty Images)

Português lembrou triunfo na Indonésia nas mesmas condições

Miguel Oliveira (KTM) venceu o Grande Prémio de Moto GP da Tailândia e, no final da corrida, lembrou que se tem dado bem com a pista molhada, tal como aconteceu na primeira vitória do ano e se repetiu este domingo.

«Foi uma longa corrida, mas não me posso queixar. Sempre que corremos em molhado, sou super-rápido. Quando começou a chover, lembrei-me da Indonésia», disse o piloto português no final da corrida, acrescentando que tentou «manter os pés no chão, fazer um bom arranque, não cometer erros e levar a mota até ao fim»

«Não é nas condições em que mais gostamos de vencer, mas aceito a vitória em quaisquer condições», brincou.

De resto, Oliveira comentou isso mesmo com os outros pilotos quando seguiam para a cerimónia do pódio e Jack Miller respondeu de forma bem humorada: «Quem quer saber disso? O cheque de bónus é sempre o mesmo.»

Mais tarde, na flash interview à Sport tv, o luso assumiu que foi uma corrida «estranha e difícil, mas divertida», além de explicar aquilo que o destaca nestas condições de pista.

«Sou muito bom em entender as condições de aderência da pista bastante rápido. Andar à chuva é muito a questão da sensação do momento e as sensações são mais cruas. Tens de ser muito suave em abordar as travagens, as acelerações, velocidade por curva e esse é o meu estilo de condução. Sou bastante suave e quando chove e as condições do grid são mais baixas, consigo evidenciar essas capacidades», notou, antes de explicar a estratégia na corrida.

«Assim que recuperei algumas posições, vi que tinha andamento, tentei não puxar demasiado e, a pouco e pouco, fui apalpando o terreno e tentei não desgastar os pneus. Consegui analisar o Miller, que era o piloto mais rápido em pista e perceber como ser mais rápido. A partir da curva 7, ganhava-lhe muito tempo e, atrás dele, percebi como ganhar ainda mais. Esperei um pouco para nos distanciarmos do Pecco [Bagnaia] e, quando vi que tinha chances para ultrapassar, ultrapassei, fiz um destaque em relação a ele e tentei aumentá-lo. Depois, sozinho, é super ,complicado psicologicamente travar à chuva sem bloquear a roda da frente e sem sair largo. Não é fácil», rematou, dedicando a vitória à família e aos fãs.

Com este triunfo, recorde-se, Miguel Oliveira sobe três posições e é oitavo classificado no campeonato de pilotos, liderado pelo francês Fabio Quartararo (Yamaha).

Relacionados

Patrocinados