Atração química: há pessoas que são ímanes de mosquitos

PP
20 out, 14:31
Mosquito (Getty Images)

Há pessoas que produzem certos químicos, que ficam ligados ao odor que produzem, e que os mosquitos consideram atrativos

Num grupo de pessoas há sempre uma ou outra que parece ser a eleita dos mosquitos e há mais uma explicação para isso. Há quem seja um íman de mosquitos, muito provavelmente devido ao próprio cheiro. Esta é a conclusão de um estudo da Universidade de Rockefeller, em Nova Iorque, levado a cabo pela neurobióloga Leslie Vosshall, segundo o The Guardian.

Em declarações ao jornal britânico, esta investigadora explicou que "se alguém tiver um elevado nível de certos químicos [produzidos pelo corpo e ligados ao cheiro], essa pessoa vai ser a vítima de todas as picadas".

Uma das formas encontradas para levar a cabo esta experiência foi colocar diferentes odores - uns contra outros -, explicou ao The Guardian Maria Elena De Obaldia, outra das autoras do estudo, divulgado na terça-feira na revista científica Cell.

64 voluntários, da Universidade Rockefeller e residentes da área, usaram meias de nylon nos antebraços para captarem o odor da pele. Em seguida, as meias foram colocadas em armadilhas separadas, no final de um tubo, e dezenas de mosquitos foram libertados. "Quase todos aglomeravam-se junto dos objetos de maior interesse", disse Maria Elena De Obaldia, acrescentando que "tornou-se óbvio quase de imediato".

O objeto mais "atraente" era 100 vezes mais desejado pelos mosquitos que o último classificado. Na experiência o mosquito utilizado foi o Aedes aegypti, que transmite doenças como febre amarela, zika e dengue.

Matt DeGennaro, neurogeneticista da Universidade Internacional da Florida e que não esteve envolvido na pesquisa, afirmou ao The Guardian que ao testarem "as mesmas pessoas" durante anos, este estudo também parece mostrar que essas diferenças permanecem o tempo. "Ímanes de mosquitos permanecem ímanes de mosquitos", afirmou.

Olhando para as amostras preferidas dos mosquitos, os investigadores perceberam que tinham elevados níveis de certos ácidos na pele. Segundo Leslie Vosshall, essas “moléculas gordurosas” fazem parte da camada hidratante natural da pele e são produzidas em quantidades diferentes por diferentes pessoas. Sendo que as bactérias saudáveis ​​que vivem na pele comem esses ácidos e produzem parte do perfil de odor da nossa pele, esclareceu.

Mas esta cientista deixou ainda um alerta: estas características não podem ser alteradas sem que a pele seja danificada.

Apesar de tudo, Jeff Riffell, neurobiólogo da Universidade de Washington, que também não esteve envolvido nesta pesquisa, considerou que esta pode ajudar a encontrar formas de repelir mosquitos.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados