Porque é que as picadas dos mosquitos causam comichão (e o que fazer quanto a isso)

CNN , Melissa Mahtani
2 set, 21:00
Coçar uma picada de mosquito deixa a pele inflamada. Essa inflamação faz com que ela fique mais irritada

Se já foi picado por um mosquito, sabe como as suas picadas podem causar frustração. Os pequenos altos vermelhos incham de forma quase imediata e dão comichão. Assim que começa a coçar-se, isso parece fazê-los piorar. Quanto mais nos coçamos, mais esses altos incham. Esta situação cria um círculo vicioso que pode fazer com que nos sintamos doridos e cheios de borbulhas avermelhadas.

Algumas pessoas parecem ser ímanes de mosquitos. Onde quer que estejam, os mosquitos vão ter com elas e picam qualquer parte do corpo que esteja visível, ao passo que outras pessoas não são picadas e não chegam a sentir essa comichão.

Como escolhem os mosquitos os seus alvos e como podemos repeli-los? Falámos com alguns especialistas para que nos dessem os seus conselhos sobre o assunto.

Porque é que as picadas dos mosquitos causam comichão?

Quando um mosquito nos pica, ele perfura a pele. Usa uma parte alongada que se situa na sua cabeça (Probóscide), de modo a sugar o sangue. Segundo os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA, uma vez que o mosquito se alimenta do sangue de quem está a picar, vai injetar saliva na pele dessa pessoa quando a pica.

Leslie Vosshall, vice-presidente e diretora científica do Instituto Médico Howard Hughes, explica que a saliva de um mosquito tem uma qualidade semelhante a um anestésico. Por esse motivo, a pessoa não sente a picada até o inseto fugir. De igual modo, a saliva possui anticoagulantes, que fazem com que o sangue continue a fluir sem coagular.

"A saliva dos mosquitos tem muitas proteínas, sendo que algumas são alérgenos", diz Vosshall, acrescentando: “O nosso corpo reconhece a proteína do mosquito como estranha. Por esse motivo, as nossas células do sistema imunitário entram em ação para tentar combatê-la."

Não é a picada que causa a comichão. Na realidade, essa reação é a resposta de defesa do nosso corpo à proteína do mosquito. É por isso que algumas pessoas podem ter apenas uma reação ligeira às picadas, ao passo que outras são mais sensíveis a essa proteína e ficam com essa zona mais inchada, o que acaba por se tornar mais doloroso.

E não há necessidade de se zangar com os mosquitos machos, uma vez que somente as fêmeas picam. Os mosquitos mordem para se alimentarem do sangue, pois a maioria dos mosquitos fêmeas não pode produzir ovos sem esse sangue.

Como escolhem os mosquitos os seus alvos?

Tal como a maioria dos outros insetos que se alimentam de sangue, os mosquitos podem sentir o nosso cheiro à distância, através do dióxido de carbono que expiramos. É isso que faz com que eles se aproximem, indica Daniel Markowski, consultor técnico da Associação Americana para o Controlo de Mosquitos.

“Quando os mosquitos se aproximam de um hospedeiro, eles usam muitas outras indicações para se focarem no seu objetivo", afirma. Os mosquitos incluem componentes visuais como formas, tamanhos e cores. É por isso que as cores escuras não são recomendadas, uma vez que se destacam mais, sobretudo no que diz respeito a fundos e contrastes.

Outras indicações químicas "que incluem os odores da respiração, subprodutos da microbiota na nossa pele, bem como outros odores humanos, tais como o octenol, amoníaco, ácido cáprico ou ácido lático" combinam-se com o nosso dióxido de carbono. Isso torna-nos mais ou menos atraentes para diferentes espécies de mosquitos”, acrescenta.

Provavelmente, é uma mistura do dióxido de carbono de uma pessoa com outros odores que atrai os mosquitos, segundo VosshalI. Há pouco tempo, escreveu um artigo sobre "a atração indestrutível dos mosquitos para com os seres humanos". Contudo, diz que ainda não se sabe ao certo o que torna uma pessoa mais atraente para um mosquito do que outra.

"Este é um assunto em que estamos a trabalhar: a quantidade e o tipo de odor corporal que uma pessoa liberta é provavelmente a razão", aponta Vosshall. "Há estudos que afirmam que é o tipo sanguíneo, a glicose presente no sangue ou o género. Diz-se que, supostamente, as mulheres são mais atraentes para os mosquitos. No entanto, nada disto está provado.”

Como contrariar a vontade de se coçar

"Não se coce" é o conselho que a maioria dos especialistas e profissionais da área da saúde dão. Por mais complicado e irrealista que isso possa soar, coçar-se inflama a pele. Por sua vez, a inflamação faz com que esta fique mais irritada.

"Coçar-se pode causar infeções secundárias e pode prolongar a irritação", alerta Markowski, acrescentando que, em casos extremos, o facto de uma pessoa se coçar pode deixar cicatrizes na pele.

Em vez disso, há dezenas de cremes e sprays que prometem ajudar a aliviar a comichão, bem como remédios caseiros e repelentes contra mosquitos. Como tal, pode escolher o que é mais adequado para si, o que muitas vezes só acontece após experimentar vários produtos.

"No geral, todos os cremes antiprurido são muito semelhantes", diz Markowski. "Normalmente, sugiro às pessoas que são muito alérgicas às picadas dos mosquitos, um creme com difenidramina ou um anti-histamínico semelhante."

Vosshall recomenda aplicar água quente na picada o mais rápido possível.

"Água muito quente. Tão quente quanto conseguir aguentar, mas não ao ponto de se queimar. É uma espécie de curto-circuito no reflexo da comichão", explica.

"Se uma pessoa está a fazer uma caminhada, isto não é prático. No entanto, um gel com lidocaína - que serve como anestésico local - pode ser útil para evitar a sensação de comichão, bem como um creme com cortisona, de venda livre.”

Embora ambos os especialistas tenham dito que muitas pessoas preferem os remédios naturais ou à base de plantas, há que ter cuidado ao utilizá-los. Não há evidências científicas de que esses remédios funcionem, nem se sabe que tipo de efeitos secundários podem causar.

Na realidade, o melhor remédio para lidar com a comichão é evitar ser picado por um mosquito.

"Repelentes químicos à base de DEET ou de Icaridina são seguros e muito eficazes", garante Vosshall. Markowski concorda, descrevendo o DEET como o produto de qualidade superior registado na Agência de Proteção Ambiental e aprovado pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças.

No entanto, ele reconhece as preocupações de algumas pessoas relativamente à toxicidade dos compostos. Markowski acrescenta: "Tal como em todos os produtos, eu sugiro que se trate, primeiramente, uma pequena área, de modo a verificar se a pessoa não tem nenhuma reação alérgica. Além disso, deve ler o rótulo e seguir todas as instruções de utilização."

Para obter uma lista mais abrangente de repelentes contra insetos, o  Centro de Controlo e Prevenção de Doenças tem disponível, no seu site, as opções registadas pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, bem como uma ferramenta de pesquisa para ajudá-lo a encontrar o repelente que mais se adequa a si.

Quando deve procurar ajuda médica

Vosshal diz que algumas pessoas podem ter reações alérgicas graves às picadas dos mosquitos, embora tal seja raro. Se sentir sintomas graves, como urticária, problemas respiratórios ou anafilaxia, deve procurar ajuda médica imediata.

Caso planeie viajar para um país onde os agentes patogénicos transmitidos pelo sangue, tal como o vírus Zika e a malária, deve procurar ajuda médica. Os mosquitos podem transmitir algumas doenças de pessoa para pessoa. Por esta razão, um médico poderá aconselhá-lo e vai informá-lo caso haja vacinas ou tratamentos preventivos disponíveis para tais doenças.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados