Estudo revela atividades que reduzem o risco de morte precoce

CNN , Sandee LaMott
30 ago, 08:00
Atividade física (Adamkaz/E+/Getty Images)

Quer viver uma vida mais longa e saudável? Escolha uma atividade de que goste e comece a mexer-se. Escolha qualquer coisa: corrida, natação, ténis, ciclismo, golfe, desportos com raquete ou até mesmo caminhar como forma de exercício.

Todas estas atividades de lazer parecem reduzir o risco de morte precoce, bem como a morte por doenças cardiovasculares e cancro, de acordo com um novo estudo publicado quarta-feira na revista “JAMA Network Open”.

O estudo do Instituto Nacional do Cancro analisou as respostas de mais de 272 mil pessoas entre os 59 e os 82 anos, que efetuaram questionários sobre as suas atividades de lazer como parte do Estudo de Dieta e Saúde dos Institutos Nacionais de Saúde, um estudo longitudinal sobre a relação entre a dieta e a saúde.

Os investigadores acompanharam os participantes durante uma dezena de anos e analisaram os registos de saúde de mortes por cancro, por doenças cardiovasculares e por qualquer outra causa.

As diretrizes de atividade física nos Estados Unidos recomendam que os adultos americanos façam 2,5 a 5 horas de atividade física aeróbica de intensidade moderada ou 1,25 a 2,5 horas de atividade física aeróbica vigorosa por semana.

Qualquer atividade aeróbica realizada pelo tempo recomendado por semana foi associada a um risco 13% menor de morte por qualquer causa, em comparação com a não realização de nenhuma atividade, constataram os investigadores.

A atividade aeróbica feita durante o tempo recomendado por semana foi associada a um risco 13% menor de morte por qualquer causa em comparação com a inatividade, refere o estudo.

A prática de desportos com raquete teve o maior impacto nos problemas cardiovasculares: houve uma redução de 27% no risco de morte por doença cardiovascular e uma redução de 16% na morte precoce. A maior redução no risco de cancro (19%) foi associada à corrida, e a corrida reduz o risco de morte precoce em 15%, refere o estudo.

Caminhar como forma de exercício foi o mais benéfico para a redução do risco de morte precoce, logo após os desportos com raquete e corrida, segundo o estudo.

"A participação em qualquer uma das atividades foi associada a uma menor mortalidade em comparação com aqueles que não participaram em todas as atividades, incluindo atividades de intensidade moderada", escreveu a autora do estudo, Eleanor Watts, pós-doutoranda em epidemiologia no Instituto Nacional do Cancro, integrado nos Institutos Nacionais de Saúde.

O estudo só pôde determinar uma associação, não uma causa e efeito completos.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados