Estados Unidos já deram 1.200 vacinas contra a monkeypox

CNN , Jacqueline Howard
5 jun, 23:00
Sintomas e lesões da Mokeypox (ou varíola dos macacos)

Mais casos surgem em todo o mundo. Países avançam com estudos e ações. Nos EUA, as vacinas já começaram a ser dadas.

À medida que o número de casos monkeypox [ou “varíola dos macacos”] sobe, num surto global em curso, os profissionais de saúde dos EUA disseram sexta-feira que estão a intensificar os testes e o rastreio de contactos e a expandir o acesso a vacinas e tratamentos.

Como parte desses esforços, cerca de 1.200 doses de vacinas contra a dos foram dadas nos Estados Unidos, disse. Raj Panjabi, diretor sénior da Casa Branca para a segurança sanitária global e biodefesa.

"Queremos assegurar que as pessoas com exposição de alto risco tenham acesso rápido às vacinas e, se adoecerem, possam receber tratamento adequado. Até à data, já entregámos cerca de 1.200 vacinas", disse Panjabi. "E 100 cursos de tratamento para oito jurisdições, e temos mais para oferecer aos Estados".

LEIA TAMBÉM
OMS assinala 780 casos em 27 países não endémicos, incluindo Portugal
Saunas para encontros sexuais e viagens na origem de vários casos. Primeiro estudo sobre monkeypox
Vacinação em anel e mais 4 cenários prováveis para a monkeypox
DGS define regras: casos suspeitos devem isolar-se e evitar contactos próximos

Os profissionais de saúde em Massachusetts que tratam pacientes com monkeypox foram dos primeiros a receber vacinas, para estarem protegidos contra o vírus.

Nos Estados Unidos, a vacina de duas doses Jynneos está licenciada para prevenir a varíola e especificamente a monkeypox. Outra vacina contra a varíola licenciada nos Estados Unidos, a ACAM2000, também pode ser utilizada para monkeypox.

Até à data, foram realizados mais de 120 testes PCR em todos os Estados Unidos, como parte da monitorização do surto. "Isto é apenas uma fração do que está disponível", disse Panjabi, acrescentando que 67 laboratórios em 46 estados - parte de uma rede conhecida como Laboratory Response Network - têm a "capacidade coletiva" de realizar mais de mil testes por dia.

"Portanto, o que estamos a trabalhar agora é para assegurar que essa capacidade de testes seja utilizada", disse ele. As pessoas com sintomas de monkeypox são encorajadas a ver um profissional de cuidados de saúde, e os profissionais são instados a testar se suspeitarem que alguém possa ter monkeypox.

Pode haver uma propagação a "nível comunitário", adverte oficialmente o CDC

Funcionários dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA exortaram na sexta-feira os clínicos a estarem atentos a possíveis casos de monkeypox, uma vez que o vírus poderá estar a propagar-se a nível comunitário.

Vinte casos de monkeypox foram identificados em 11 estados, bem como um caso adicional nos Estados Unidos que foi infetado e testado noutro local, disseJennifer McQuiston, vice-diretora da Divisão de Patogénicos e Patologia de Altas Consequências do CDC.

Todos os doentes estão em recuperação ou já recuperaram, e aqueles que ainda têm uma erupção cutânea estão a ser aconselhados a ficar em casa e a isolarem-se dos outros até estarem completamente recuperados.

"Quero salientar que isto pode estar a acontecer noutras partes dos Estados Unidos. Pode haver transmissão a nível comunitário que esteja a acontecer, e é por isso que queremos realmente aumentar os nossos esforços de vigilância", disse McQuiston. "Queremos realmente encorajar os médicos que, se virem uma erupção cutânea e estiverem preocupados com a possibilidade de ser monkeypox, avancem e testem para isso".

McQuiston acrescentou que as erupções surgidas em resultado de infeções por monkeypox neste surto podem ser subtis e facilmente confundidas com outros tipos de infeções, especialmente as de transmissão sexual - e pode haver coinfecções da monkeypox com doenças sexualmente transmissíveis (DST).

McQuiston disse que a erupção cutânea de uma infeção por monkeypox aparece tipicamente na forma de lesões "profundas" e "bem arredondadas", que progridem para pústulas levantadas ou cheias de fluidos. Pode ser confundida com outras doenças infeciosas, como o herpes ou a sífilis, acrescentou.

"Dito isto, não queremos minimizar esta condição. A erupção causada pelo vírus da monkeypox pode propagar-se amplamente pelo corpo ou estar presente em áreas sensíveis como os genitais", disse McQuiston. "Pode ser realmente doloroso, e alguns pacientes relataram necessitar de medicamentos prescritos para lidar com a dor. As feridas também podem causar cicatrizes a longo prazo na pele".

Uma análise de dados de sequenciação genética de casos nos Estados Unidos indica que podem estar a circular duas variantes geneticamente distintas da monkeypox, disse McQuiston.

Os dados da sequência genética são "certamente interessantes de uma perspetiva científica", mas "para determinar há quanto tempo circula o vírus da monkeypox vai ser necessário analisar muito mais sequências de muito mais pacientes para começar a montar esse puzzle de uma forma mais clara", disse ela. "É certamente possível que possa ter havido casos de monkeypox nos Estados Unidos que tenham passado despercebidos anteriormente, mas não em grande escala".

McQuiston acrescentou que o risco para o público ainda é baixo, e que a descoberta de casos com linhagens distintas é um "sinal positivo" de que a rede de vigilância da nação está a funcionar.

Investigadores do CDC e profissionais de saúde publicaram um relatório na sexta-feira descrevendo muitos dos casos de monkeypox nos EUA, observando que "a investigação em curso sugere a transmissão de pessoa a pessoa da comunidade, e o CDC insta os departamentos de saúde, clínicos, e o público a permanecerem vigilantes, a instituírem medidas adequadas de prevenção e controlo de infeções, e a notificarem as autoridades de saúde pública de casos suspeitos para reduzir a propagação da doença".

Entre 17 casos descritos no relatório em nove estados, todos os pacientes tiveram uma erupção cutânea, 14 deles relataram ter viajado internacionalmente durante os 21 dias que antecederam os seus sintomas, e todos, exceto um, foram identificados como sendo um homem que tem relações sexuais com homens (HSH). Três deles foram imunocomprometidos. Todos os doentes eram adultos.

"A elevada proporção de casos iniciais diagnosticados neste surto em pessoas que se identificam como gays, bissexuais, ou outros HSH, pode simplesmente refletir uma introdução precoce da monkeypox em redes sociais interligadas; esta descoberta pode também refletir um preconceito de determinação devido a relações fortes e estabelecidas entre alguns HSH e profissionais clínicos com serviços robustos de DST e um amplo conhecimento de doenças infeciosas, incluindo condições pouco comuns", escreveram os investigadores do CDC no relatório.

"Contudo, as infeções não estão frequentemente confinadas a certas geografias ou grupos populacionais; porque o contacto físico próximo com pessoas infetadas pode disseminar a McQuiston: qualquer pessoa, independentemente do sexo ou orientação sexual, pode adquirir e disseminar a monkeypox".

A nível mundial, dizem funcionários da Organização Mundial de Saúde, mais países estão a notificar casos de monkeypox que nunca tinham visto o vírus antes.

"Foram relatados casos em 26 países" onde o vírus não é endémico, disse Maria Van Kerkhove, a chefe técnica e líder técnica da OMS na covid-19, numa conferência de imprensa na quinta-feira. Ela acrescentou que foram identificados mais de 600 casos nestes países.

"À medida que a vigilância aumenta, à medida que a atenção aumenta, esperamos que sejam identificados mais casos", disse ela. "Estão em curso muitas investigações sobre surtos de saúde pública".

Rosamund Lewis, líder técnica da OMS para a monkeyopx, disse na terça-feira que este surto é diferente dos anteriores porque "estamos a ver aparecer todos os casos num período de tempo relativamente curto".

"O que estamos a ver agora começou como um pequeno grupo de casos, e depois a investigação levou rapidamente à descoberta de infeções num grupo de homens que fazem sexo com homens, e isto levou a mais investigações, e por isso ainda não sabemos qual é a origem real do surto ", disse Lewis. "O que é mais importante agora é não estigmatizar".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados