João Almeida termina Tirreno-Adriático em segundo e vence juventude

12 mar 2023, 16:34
Joao Almeida no pódio do Tirreno-Adriático 2023, com o vencedor Primoz Roglic e o terceiro classificado, Tao Geoghegan Hart (ROBERTO BETTINI/EPA)

«Estou satisfeito, foi uma semana produtiva», afirmou o português, que alcançou um dos melhores resultados da carreira. Primoz Roglic venceu a emblemática prova italiana

O português João Almeida (UAE Emirates) terminou este domingo o Tirreno-Adriático no segundo lugar, na emblemática prova italiana que foi ganha pelo esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma).

Ao chegar no pelotão na sétima e última etapa, ganha ao sprint pelo belga Jasper Philipsen (Alpecin-Deceuninck), o campeão nacional de fundo confirmou o segundo lugar final, a 18 segundos do vencedor, Primoz Roglic, que assinalou o regresso à estrada após quase seis meses de paragem com a segunda vitória na geral da “Corrida dos dois Mares”, que já tinha ganho em 2019.

Embora no seu palmarés constem triunfos na geral da Volta a Polónia e da Volta ao Luxemburgo, ambas em 2021, este é o melhor resultado de sempre de Almeida numa das principais e mais conceituadas corridas por etapas do calendário velocipédico internacional e um bom sinal para a Volta a Itália, na qual foi quarto em 2020 (depois de andar 15 dias vestido de rosa) e sexto em 2021.

Atrás do ciclista de A-dos-Francos (Caldas da Rainha), que conquistou ainda a camisola da juventude, ficou o britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS), o vencedor do Giro2020, que foi terceiro a 23 segundos de Roglic.

Para Roglic, o regresso à competição, depois de ter abandonado a Vuelta2022 devido a queda e ter sido operado ao ombro direito em outubro, não podia ter corrido melhor: o tricampeão da Vuelta (2019-2021) ganhou, além da geral, três etapas, a classificação dos pontos e a da montanha.

Na tirada deste domingo, discutida ao sprint, Jasper Philipsen impôs-se ao neerlandês Dylan Groenewegen (Jayco AlUla), segundo, e ao italiano Alberto Dainese (DSM), terceiro, ao concluir os 154 quilómetros com início e fim em San Benedetto del Tronto em 3:32.36 horas.

O português Nelson Oliveira (Movistar) fechou também em bom plano, no 30.º posto, após o trabalho em prol do espanhol Enric Mas, sexto na geral.

O dia fica ainda marcado pelo abandono do britânico Thomas Pidcock (INEOS), campeão olímpico de cross country, devido a queda, a seis dias da clássica Milão-Sanremo.

«Estou supersatisfeito, foi uma semana muito produtiva»

João Almeida superfeliz com segundo lugar no Tirreno-Adriático

No final da prova, João Almeida mostrou satisfação com o resultado final e prometeu estar «ainda melhor» na Volta a Itália, o principal objetivo da época.

«Estou supersatisfeito. Foi uma semana muito produtiva. Estou superfeliz e, no final de contas, as diferenças principais foram feitas pelas bonificações. É bom relembrar», explicou aos jornalistas, após a conclusão da sétima e última etapa, citado pela Lusa.

O português confessou ter-se sentido «bem a semana toda» e que sentiu Primoz Roglic «um pouco mais forte», embora ressalvando a questão das bonificações como principal diferenciador.

Sobre a Volta a Itália, mostrou ambições: «Quero discutir a corrida, estar no pódio final é o objetivo. Vou trabalhar no duro para isso», garantiu, falando ainda da conquista da camisola branca da juventude. «Às vezes, até eu me esqueço que ainda sou jovem, e é bom vencer a camisola branca», brincou.

Relacionados

Patrocinados