Pai detido quando tentava vender três filhos albinos no centro de Moçambique

Agência Lusa , CF
25 jul, 22:42
Prisão (arquivo)

Os suspeitos pretendiam transacionar as crianças a compradores do Maláui, onde seriam alegadamente mortas e os seus órgãos usados em tratamentos supersticiosos e rituais de boa sorte

A polícia moçambicana deteve um pai e o seu irmão, quando tentavam vender três filhos albinos na província de Tete, centro de Moçambique, disse esta segunda-feira à Lusa o porta-voz da corporação.

Luciano da Câmara afirmou que dois supostos intermediários do negócio também foram detidos.

Câmara declarou que as crianças, com 10, 13 e 16 anos, foram tiradas de casa e mantidas num cativeiro, enquanto decorriam as negociações com os intermediários.

A venda seria feita por 2,5 milhões de meticais (cerca de 38 mil euros), acrescentou.

“Fizemos diligências e localizamos os dois indivíduos [intermediários em Angónia e que confirmaram o negócio]”, declarou Luciano da Câmara.

Câmara adiantou que agentes da polícia simularam estar interessados na compra das três crianças para poderem chegar ao cativeiro, após receberem uma denúncia de que o pai e o tio pretendiam vender as vítimas.

Os suspeitos pretendiam transacionar as crianças a compradores do Maláui, onde seriam alegadamente mortas e os seus órgãos usados em supostos tratamentos supersticiosos em pessoas que acreditam que esse tipo de rituais dá boa sorte e saúde, referiu o porta-voz da polícia na província de Tete.

Em algumas zonas de Moçambique, é frequente a morte de albinos para fins obscurantistas.

O albinismo é uma doença genética caracterizada pela ausência total ou parcial de pigmentos na pele, cabelos e olhos.

África

Mais África

Patrocinados