Ministra da Defesa defende reforço de relações com aliados para "elevar" papel de Portugal no mar

Agência Lusa
22 mai, 17:18
Ministra da Defesa, Helena Carreiras, visita o Campo Militar de Santa Margarida (Paulo Cunha/LUSA)

Helena Carreiras, esteve, este domingo na cerimónia oficial das celebrações do Dia da Marinha, onde defendeu a importância da Marinha Portuguesa nas relações multilaterais e na elevação de Portugal enquanto produtor de segurança marítima

A ministra da Defesa defendeu este domingo o reforço e a construção de novas pontes entre os aliados internacional e a Marinha Portuguesa, de forma a “elevar ainda mais” o papel de Portugal enquanto produtor de segurança marítima.

“Num mundo tão globalizado e dinâmico, onde o comércio marítimo possui tanto peso na economia global, é fundamental garantir a utilização livre e segura do mar”, disse Helena Carreiras, na cidade de Faro.

Ao discursar na cerimónia oficial das celebrações do Dia da Marinha, a ministra da Defesa, defendeu a necessidade de Portugal “continuar a construir novas pontes entre os parceiros e aliados, promovendo iniciativas como as das presenças marítimas coordenadas da União Europeia ou formatos inovadores como o Centro do Atlântico”.

De acordo com a governante, o reforço dessas relações “permitirão elevar ainda mais o papel internacional de Portugal enquanto produtor de segurança marítima”.

“Estamos conscientes de que a própria conjuntura internacional tem gerado um aumento significativo das solicitações para o emprego das Forças Armadas em cenários novos e diferentes, com reflexo ao nível das capacidades, da flexibilidade do seu emprego, da interoperabilidade e da prontidão operacional”, apontou.

Helena Carreiras adiantou que o projeto de uma Plataforma Naval Multifuncional, cujo financiamento foi aprovado em Conselhos de Ministros em 12 de maio, ao abrigo do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), “é fundamental para apoiar a Marinha a reforçar a sua capacidade operacional”.

Helena Carreiras defendeu ainda a necessidade de “continuar a valorizar a condição militar e a dignificar as Forças Armadas”, com a possibilidade de progressão nas carreiras e a sua dignificação”.

“Teremos também de encetar, em conjunto, todos os esforços para conseguirmos avançar na implementação dos planos de Ação para a Profissionalização do Serviço Militar e Setorial da Defesa Nacional para a Igualdade, e podermos assim recrutar as melhores pessoas, retê-las condignamente e assegurar que têm os instrumentos para uma bem-sucedida transição posterior para a vida civil”, concluiu.

Na sua intervenção, o chefe de Estado-Maior da Armada, almirante Gouveia e Melo, disse estar convicto de que Portugal “vai focar-se cada vez mais no mar, a fronteira de oportunidade que se abre ao futuro”.

“A nossa geografia assim o exige e a história assim nos lembra”, notou Gouveia e Melo.

O almirante disse acreditar que a aposta na valorização dos recursos humanos, na sua capacitação técnica, tecnologicamente evoluída, a par de remunerações justas e compatíveis “são essenciais para a motivação, recrutamento e retenção de pessoal” na Marinha Portuguesa.

A cidade de Faro foi este ano escolhida para as comemorações do Dia da Marinha, depois de dois anos em que a data foi celebrada com programas ‘online’ devido à pandemia da covid-19.

O Dia da Marinha é comemorado a 20 de maio em homenagem ao feito do navegador português Vasco da Gama que, em 1498 ligou pela primeira vez, por via marítima, a Europa ao Oriente, com a chegada a Calecut, na índia.

Para assinalar a data, a Marinha deslocou para o Algarve um total de 1.200 militares.

Novo Governo

Mais Novo Governo

Patrocinados