Croácia
24'
0 - 1
Albânia

Doentes menos graves vão ser atendidos fora das urgências e vão poder marcar consulta para o dia seguinte

29 mai, 13:11
Centro de Saúde de Corroios, Almada (Lusa/António Pedro Santos)

Para aliviar as urgências vão ser criados centros de atendimento clínicos para doentes não urgentes e vai ser possível marcar uma consulta para o dia seguinte nos centros de saúde

Para tentar resolver o problema das urgências, vão ser criadas novos locais para atender os casos menos graves fora das urgências hospitalares, segundo o plano de emergência para a saúde que o Governo aprovou esta quarta-feira. Vão chamar-se "centros de atendimento clínico" e irão atender os casos que não são complexos. O objetivo é retirar muitos utentes das urgências dos hospitais.  

O Governo quer que estes espaços – que se vão situar fora das urgências – prestem assistência nas “situações agudas de menor complexidade e urgência clínica”. Os utentes podem ser encaminhados depois de uma triagem num hospital público ou através da linha SNS 24.

Para aliviar as urgências, além destes novos centros de atendimento, será criado um novo tipo de consultas nos centros de saúde: serão conhecidas como “consulta do dia seguinte” e destinam-se “a situações agudas de menor complexidade e urgência”.

Ou seja, segundo o Plano de Emergência, "quando a situação clínica aguda é triada como não urgente ou pouco urgente", seja através da SNS24, do Centro de Orientação de Doentes Urgentes do INEM ou na triagem hospitalar com a prioridade azul ou verde, "o doente poderá ser encaminhado para os Cuidados de Saúde Primários, ou para uma das alternativas disponíveis na rede para situações agudas de menor complexidade e urgência clínica, doravante designado de Centro de Atendimento Clínico, bem como, para a consulta externa hospitalar".

Estes Centros de Atendimento Clínico são apresentados como “coroa de proteção” aos "hospitais com serviço de urgência, podendo estes ser entidades públicas, sociais e privadas que possam disponibilizar logísticas adequadas para o atendimento de situações agudas de menor complexidade clínica e urgência". Estes centros podem ter "alguns meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT), como a química seca, meios de radiologia convencional e eletrocardiograma".

Obras nas urgências e nova especialidade médica

No que se refere às urgências, o Governo promete ainda concluir um programa de requalificação dos espaços dos Serviços de Urgência - Urgência Geral / Psiquiátrica. Por outro lado, Ana Paula Martins, ministra da Saúde, garante que será criada a especialidade médica de Urgência que tem dado polémica dentro da Ordem dos Médicos.

Outra das medidas do Executivo é a “Constituição do Departamento de Urgência e Emergência Médica na Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS)”. 

Relacionados

Governo

Mais Governo

Patrocinados