8 factos surpreendentes sobre os mineiros chilenos cuja história nos prendeu à televisão há 12 anos

CNN , Rosa Flores e Michelle Rozsa (artigo originalmente publicado em agosto de 2015)
5 ago, 10:00
Resgate de mineiros chilenos

A 5 de agosto de 2010, 33 mineiros ficaram encurralados quando a mina de San José, no Chile, colapsou. Nos 69 dias que se seguiram, o mundo observou e aguardou até que todos fossem resgatados em segurança.

Doze anos depois, eis alguns factos surpreendentes sobre o resgate que pode não saber:

Marcado com uma cruz

Após dias de buscas pelos mineiros, sem quaisquer resultados, o então presidente do Chile, Sebastian Piñera, ordenou uma cruz para homenagear os homens, por via das dúvidas. "E se não os encontrarmos? Em 17 dias, 20 dias, um mês, dois meses?", disse Piñera numa entrevista à CNN com Rosa Flores. "E se os encontrarmos e estiverem todos mortos?"

Hoje, a grande cruz branca recebe os visitantes no local de resgate da mina, assinalando onde os mineiros acreditam que Deus esteve durante o seu resgate milagroso.

Meias que salvam vidas

Um buraco de cinco polegadas de diâmetro tornou-se o salva-vidas dos mineiros, um recipiente para comida, água e mantimentos. Quando chegou a altura do resgate, os mineiros foram aconselhados a usar meias elásticas especiais para ajudar os seus sistemas cardiovasculares. A única cor disponível era rosa. O médico Andres Llarena recorda que os mineiros não queriam usá-las por causa da cor, e perguntaram se podiam fazê-las em castanho ou preto. "Calcem-nas!" disse Llarena, com firmeza.

Sinais de vida

Este sinal é um dos tesouros mais valiosos da casa do mineiro Alex Vega. O sinal estava no subsolo com os homens, apontando para a área de emergência da mina onde os homens se reuniram e rezaram. Agora, a seta do sinal aponta para a porta da frente da casa que Vega partilha com a família. "Aquilo", disse Vega enquanto apontava para a sua casa, "... é o meu refúgio.

"Ninguém fica lá em baixo"

Jean Romagnoli era um dos médicos no local que supervisionava a saúde e o bem-estar dos mineiros. O seu trabalho era mantê-los vivos. A sua tarefa assustadora levou a uma promessa escrita no seu capacete, "Nadie se queda abajo", ou "Ninguém fica lá em baixo".

Os mineiros ficaram a conhecer Romagnoli muito bem através daquele tubo de 80 cm de profundidade. Carregava iPods com música para eles, até aceitava pedidos musicais especiais. Também gravou vídeos de treino físico, esperando que os mineiros perdessem peso e conseguissem caber dentro da cápsula de resgate Phoenix. À medida que os 33 homens começaram a emergir do subsolo profundo, Romagnoli pediu-lhes para assinarem o nome no seu capacete.

Um presente para o médico

Esta pode ser a mais valiosa recordação dos mineiros chilenos que existe. É o que Romagnoli acredita ser uma rocha pesada cheia de ouro da mina de San Jose. Enquanto os mineiros ainda estavam no subsolo, deram à rocha o número 33 e ofereceram-na a Romagnoli. Embora a rocha pesada possa valer uma fortuna se estiver, na verdade, cheia de ouro, Romagnoli não está interessada em vendê-la. O valor pessoal que tem para ele ultrapassa o seu peso em ouro.

Sons de cura

Quando as famílias dos mineiros se aperceberam que os seus entes queridos estavam presos dentro de uma mina de ouro e cobre, as emoções apoderaram-se delas. Algumas esposas e mães correram para o local da mina de San Jose e exigiram que as equipas de resgate continuassem à procura dos mineiros. Pais e irmãos tentaram invadir o perímetro e entrar na mina para libertar os seus entes queridos. A avó do mineiro Ariel Ticona lidou com a dor e a angústia de uma forma diferente. Compôs música e cantou. Quando soube que o neto, que também ia ser pai em breve, podia estar preso ou morto dentro da mina, começou a escrever.

A colher da vida

Os mineiros usaram uma colher minúscula para dividir uma lata de atum em 33 partes. Até 23 de agosto, os socorristas conseguiram transmitir comunicações e enviar comida e água para os mineiros. Antes disso, os mineiros sobreviveram partilhando pequenas quantidades de atum e cavala que tinham no abrigo, juntamente com a água.

Um evento mundial

Mais de mil milhões de pessoas assistiram ao resgate dos mineiros. Os mineiros detêm o recorde mundial do Guinness de "sobreviventes por mais tempo presos no subsolo".

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados