15 anos após o milagre no Hudson, alguns ainda sofrem com stress pós-traumático. Outros aprenderam a voar

CNN , Christina Zdanowicz
21 jan, 17:00
Amaragem no Rio Hudson (AP)

Todos os momentos que Vallie Collins ainda não tinha vivido passaram-lhe diante dos olhos enquanto enviava uma mensagem ao marido a dizer que o seu avião estava a cair.

O primeiro homerun do filho mais novo. Planear as festas de anos dos filhos. Brilhar enquanto mãe da noiva.

“Não sou uma mãe perfeita, mas sou a mãe deles”, diz a mãe de três. “E pensar que não iria acabar de os criar foi bastante duro”.

Collins estava sentada no lugar 26D do voo 1549 da US Airways, que caiu no rio Hudson em Nova Iorque faz 15 anos este mês, uma aterragem milagrosa que deixou vivas todas as 155 pessoas a bordo e deu a muitas delas um novo fôlego na vida. A manobra foi apelidada pelos especialistas em aviação como a mais bem-sucedida amaragem de um avião de todos os tempos, elevando o capitão C.B. "Sully" Sullenberger ao estatuto de herói e, mais tarde, à fama cinematográfica no filme "Sully".

Ric Elias (CNN)

Sentado na primeira fila do avião nesse dia, Ric Elias apercebeu-se de todas as coisas que não iria perder: Dinheiro, outra vitória, outra viagem. Também ele refletiu sobre o facto de não estar presente para criar a sua família.

Lá perto, no lugar 1C, Barry Leonard não parava de pensar na sua família, desde a mulher e os filhos até à mãe. Ele não gritou - "Eu não fiz nada", disse.

Nesses momentos fugazes da descida do avião, o silêncio dos dois motores que não faziam barulho chamou a atenção de alguns a bordo. Pensamentos sobre morrer invadiram a cabeça de muitos, temendo o pior desfecho.

“Daqui fala o comandante. Preparem-se para o impacto”

Ao descolar do Aeroporto de LaGuardia, em Nova Iorque, Sullenberger disse que se lembrou de ter ficado assustado quando um bando de gansos-do-Canadá, com uma envergadura de asas de até dois metros, atingiu o avião. De seguida, os dois motores perderam a potência.

O piloto veterano fez um rápido anúncio à cabina, alertando-os para uma aterragem de emergência.

"Daqui fala o comandante. Preparem-se para o impacto'", lembra-se de ter dito à cabina.

"Conseguia ouvir as assistentes de bordo a gritarem as suas ordens aos passageiros em uníssono. 'Preparem-se, preparem-se, preparem-se. Cabeças para baixo. Baixem-se'. Uma e outra vez".

Enquanto o pânico se espalhava pela cabina, Sullenberger avaliou as suas opções de aterragem com o controlo de tráfego aéreo. Percebeu que não conseguiriam regressar a LaGuardia, disse nas gravações do controlo de tráfego aéreo, e mais tarde excluiu os aeroportos de Teterboro e Newark, no estado vizinho da Nova Jérsia.

Comandante Chesley "Sully" Sullenberger (CNN)

Iam aterrar no rio Hudson, disse Sullenberger ao controlo de tráfego aéreo.

Passaram 208 segundos desde que o avião embateu nos gansos até que Sullenberger e o copiloto Jeff Skiles manobraram e aterraram a aeronave no rio Hudson.

"Foi uma grande sacudidela", disse Barry Leonard. "Acho que o meu joelho bateu no esterno porque o meu esterno partiu-se."

O avião abanou por todos os lados durante a aterragem violenta e difícil, recorda Collins.

"Quando aparentemente parámos, olhei para cima e pensei: 'Estou inteira. Este avião está inteiro'".

Mas o alívio da aterragem foi de curta duração. Os assistentes de bordo encaminharam os passageiros para as asas para saírem do avião, pois surgiu outro desafio.

"A água começou rapidamente a entrar", disse Collins. "Esse foi o meu momento mais assustador. Pensei: 'Senhor, por favor, não me deixes afogar'. Estava muito frio".

Estavam seis graus negativos nesse dia. Barry Leonard desapertou o cinto de segurança, descalçou os sapatos e atirou-se ao rio gelado.

Barry Leonard (CNN)

“Olhei para trás e vi pessoas a andar na água”, disse. “Pensei mesmo que tinha morrido. E só depois de começar a nadar é que me apercebi que as pessoas estavam na asa e que eu não estava morto".

O comandante passou duas vezes por todas as filas do avião, verificando se havia passageiros. "Estava num tal estado de stress que não confiava nos meus olhos e ouvidos", disse Sullenberger à CNN. O avião continuava a meter água - uma assistente de bordo gritou que as pessoas tinham de sair do avião.

Milagrosamente, todos as 155 pessoas a bordo sobreviveram.

Alguns passageiros aceitaram a mudança, outros sentiram-se perdidos

Há um distinto antes e depois da aterragem no Hudson, o momento que mudou para sempre a vida das pessoas a bordo do voo.

Após a aterragem angustiante, Clay Presley, que se encontrava no lugar 15D, disse que ficou extremamente claustrofóbico - problema de que ainda sofre.

“Mesmo hoje, não consigo entrar em espaços muito fechados a não ser que saiba e sinta que posso sair muito, muito facilmente”, disse Presley à CNN.

Clay Presley (CNN)

Embora Presley tenha dito que sofreu de stress pós-traumático (PTSD) na sequência da aterragem de emergência, decidiu enfrentar o seu medo de voar. O antigo empresário aprendeu a pilotar aviões.

O heroísmo de Sullenberger e dos socorristas naquele dia inspirou-o a tornar-se piloto. Presley pilota pequenos aviões e o seu próprio avião tem o número de cauda 1549H, em homenagem ao voo 1549 da US Airways.

Psicólogos como Sonja Lyubomirsky afirmam que as pessoas reagem a experiências traumáticas de formas diferentes. Algumas pessoas podem sentir-se e manter-se em baixo, enquanto outras podem sofrer de depressão e recuperar, mostrando resiliência.

Outras podem regressar a uma situação de base de referência mais elevada do que aquela em que começaram, disse Lyubomirsky, professora de psicologia da Universidade da Califórnia e especialista em felicidade.

Para a passageira Pam Seagle, que estava no lugar 12A, a experiência quase mortífera inspirou-a a fazer um balanço da sua vida e a fazer grandes mudanças.

Em 2009, desempenhava funções de executiva sénior de marketing e apercebeu-se de que queria estar mais presente na vida dos seus dois filhos, adolescentes na altura, e do marido. Seagle também pediu ao seu empregador para mudar de ramo de trabalho, à procura de uma maior realização pessoal.

Pam Seagle (CNN)

"Não há direitos suficientes para as mulheres e para a sua emancipação económica, estamos a procurar mudar isso", afirmou Seagle, que agora desenvolve programas que promovem a emancipação económica das mulheres.

Este crescimento após o trauma é comum, mas o percurso de cada um é diferente, explica Richard Tedeschi, investigador e psicólogo com mais de 40 anos de experiência.

"Dizem-nos muitas vezes que os acontecimentos por que passaram mudaram o rumo das suas vidas", afirma Tedeschi. "Talvez os tenham apresentado a coisas que nunca tinham considerado antes."

Mas as mudanças positivas não foram tão evidentes para alguns dos passageiros, como Vallie Collins.

"Eu não era eu", disse, lembrando-se de como se sentia um mês depois. "Fiquei muito triste, muito em baixo. De repente, não me sentia preparada para continuar."

Collins descreveu a sua personalidade como a do Tigre do "Winnie the Pooh" - um tigre cheio de energia e otimismo. Mas depois sentiu-se como o Igor, um burro sombrio e deprimido, o oposto do Tigre.

Vallie Collins (CNN)

"Fiz parte de um dos maiores feitos da história da aviação e saí de lá sem um arranhão", disse. "Tipo, o que é que se passa contigo? Deixa-te disso! Senti-me tão mal-agradecida."

Collins acredita que algumas partes da sua vida melhoraram depois desse dia - está mais envolvida na sua igreja e na sua comunidade, participou em conselhos de administração de organizações sem fins lucrativos. No entanto, sabe que nunca mais será a pessoa que entrou naquele voo.

O poder de uma história que faz sentir bem

O Milagre no Hudson surgiu numa altura em que a ansiedade e a angústia dominavam os pensamentos dos americanos. Era uma época de recessão, encerramento de bancos, despedimentos e instabilidade financeira.

Tornou-se na história mais positiva da altura, com as pessoas a maravilharem-se com a aterragem milagrosa e o heroísmo da tripulação e dos primeiros socorristas que vieram em seu auxílio.

"Há um piloto heroico", disse o governador de Nova Iorque da altura, David Paterson, após o incidente. "Tivemos um Milagre na Rua 34 [referência ao filme "De ilusão também se vive"], acredito que agora temos um milagre no Hudson".

O frenesim mediático em torno de Sullenberger trouxe um zumbido de geradores e repórteres para o exterior da casa da sua família, recorda a sua mulher Lorrie Sullenberger. Mas também trouxe algo mais.

Uma nota manuscrita apareceu no fax da família com uma mensagem: "A América precisava de uma vitória. Obrigado", dizia o fax não assinado.

Centenas de pessoas de todo o mundo enviaram tanta correspondência que os funcionários dos correios tiveram de a trazer em caixotes, disse Lorrie Sullenberger. Uma carta ainda se destaca.

"No último ano, perdi o meu pai com cancro. Perdi o meu emprego e depois a minha casa. Tinha perdido a minha fé. O senhor devolveu-ma", pode ler-se na carta, segundo a mulher de Sullenberger.

Uma multidão reúne-se para homenagear o piloto da US Airways C.B. Sullenberger numa celebração em sua honra a 24 de janeiro de 2009, em Danville, Califórnia (David Paul Morris/Getty Images)

Toda esta provação faz Sullenberger refletir sobre os atos quotidianos das pessoas que podem não ser vistos.

"Isto é um lembrete de que nem todas as pessoas são corruptas, que são corajosas, que têm compaixão, que estão a fazer coisas, coisas importantes, coisas empáticas a toda a hora. Só não sabemos quem são", disse.

"Não tiveram a notoriedade pública que nós tivemos. Mas cada um de nós tem esse potencial".

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados