"Pode parecer que não podemos fazer muito mais por agora mas podemos. E devemos": Michelle Obama reage à reversão da lei do aborto

24 jun, 21:00
Michelle Obama (AP Photo)

"Este momento é difícil, mas a nossa história não termina aqui"

"Estou destroçada." Foi com esta frase que Michelle Obama começou um comunicado, publicado no Instagram, sobre a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos em relação à lei do aborto. O marido, Barack Obama, também já tinha reagido. 

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos explica que está "destroçada" porque as mulheres norte-americanas "perderam o direito fundamental de tomar decisões informadas sobre o seu próprio corpo".

Agora, escreveu, vivemos um tempo no qual as mulheres "correm o risco de perder a própria vida em abortos ilegais" e um tempo no qual "o regime nega às mulheres o controlo das suas funções reprodutivas, forçando-as a seguir com gravidezes que elas não queriam". 

"Esta decisão horrível vai ter consequências devastadoras", avisou.

Ainda assim, Michelle Obama tentou deixar uma mensagem de esperança e força. "Este momento é difícil, mas a nossa história não termina aqui. Pode parecer que não podemos fazer muito mais por agora, mas podemos. E devemos", aproveitando para pedir às pessoas que transformem a "frustração e revolta" em ações.

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos reverteu esta sexta-feira uma decisão sobre o direito ao aborto que dita uma mudança na lei e deixará de proteger constitucionalmente uma mulher que faça um aborto.

Esta decisão vai dar início a novas regras que limitam ou proíbem o acesso ao procedimento de alguns estados e, em alguns deles, de forma imediata. Uma mudança que vai contra o que ficou estabelecido em 1973, há quase 50 anos, no caso Roe vs. Wade. 

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados