Suspeito de atacar primeira-ministra dinamarquesa é presente hoje a Tribunal

Agência Lusa , MM
8 jun, 11:50
Primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen (Associated Press)

Vários líderes europeus já expressaram a condenação ao ataque que sofreu Mette Frederiksen

Um homem que alegadamente atacou a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, no centro de Copenhaga, vai ser presente este sábado a Tribunal, numa audiência de prisão preventiva, indicaram as autoridades.

A polícia confirmou que “houve um incidente” com a primeira-ministra Mette Frederiksen na sexta-feira e que um homem de 39 anos foi preso.

Segundo o gabinete da primeira-ministra, Mette Frederiksen sofreu uma “ligeira tensão no pescoço” e cancelou os seus compromissos deste sábado.

"Depois de ter sido agredida ontem [sexta-feira], a primeira-ministra Mette Frederiksen foi levada para o Rigshospitalet (Hospital Nacional da Dinamarca) para ser submetida a um exame médico. A agressão provocou uma ligeira entorse cervical", indica o gabinete, acrescentando que a primeira-ministra estava “abalada pelo incidente” e que, por conseguinte, cancelou o seu programa para o dia.

Espera-se que o suspeito chegue esta manhã ao Tribunal Distrital de Copenhaga, em Frederiksberg, um enclave municipal dentro da capital dinamarquesa.

O gabinete da primeira-ministra disse à emissora estatal dinamarquesa DR, na sexta-feira, que Frederiksen estava “chocada” com o que aconteceu.

Duas testemunhas oculares, Anna Ravn e Marie Adrian, disseram ao diário BT que viram um homem a caminhar em direção a Frederiksen e depois “empurrá-la com força no ombro para que fosse afastada para o lado”, mas salientaram que a primeira-ministra não caiu.

Outra testemunha, Kasper Jørgensen, disse ao tabloide Ekstra Bladet que um homem bem vestido, que parecia fazer parte da unidade de proteção de Frederiksen, e um agente da polícia derrubaram o alegado agressor.

Søren Kjærgaard, que trabalhava num bar na Praça Kultorvet, onde ocorreu o incidente, disse ao BT que viu Frederiksen após o incidente e que ela não tinha ferimentos visíveis no rosto, mas que se afastou rapidamente.

Os políticos do país escandinavo e do estrangeiro, incluindo Portugal, já condenaram a agressão.

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, disse estar chocado com o que aconteceu a Frederiksen, a quem chama amiga.

“Os aliados da NATO estão juntos para proteger os nossos valores, a liberdade, a democracia e o nosso Estado de direito”, escreveu Stoltenberg hoje na plataforma de X.

O primeiro-ministro sueco, Ulf Kristersson, afirmou que “um ataque a um líder democraticamente eleito é também um ataque à nossa democracia”, enquanto o primeiro-ministro finlandês, Petteri Orpo, condenou veementemente “todas as formas de violência contra os líderes democraticamente eleitos das sociedades livres”.

O Presidente francês Emmanuel Macron condenou a agressão “inaceitável” de que foi vítima a primeira-ministra dinamarquesa Mette Frederiksen, atacada por um homem, na sexta-feira à noite, numa praça de Copenhaga.

“O ataque à primeira-ministra dinamarquesa é inaceitável. Condeno veementemente este ato e desejo a Mette Frederiksen uma rápida recuperação”, escreveu Macron na rede social X.

De acordo com o gabinete do primeiro-ministro dinamarquês, Mette Frederiksen “foi agredida por um homem na sexta-feira à noite na Kultorvet, em Copenhaga”. “O homem foi detido” e a primeira-ministra ficou “chocada com o incidente”, referiu.

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, também condenou o ataque a Frederiksen. Roberta Metsola exortou a primeira-ministra dinamarquesa a “manter-se forte”, acrescentando, numa mensagem publicada no X, que “a violência não tem lugar na política”.

O primeiro-ministro portugues, Luís Montenegro, também condenou na noite de sexta-feira o “ataque violento” que a homóloga dinamarquesa sofreu hoje numa praça de Copenhaga, manifestando a solidariedade do "povo e Governo portugueses" com Mette Frederiksen.

“Expresso toda a minha solidariedade a Mette Frederiksen, primeira-ministra da Dinamarca, minha amiga e colega. Condeno firmemente este ataque violento a uma líder democrática eleita. Neste momento difícil, pode contar com o apoio do povo e Governo portugueses”, pode ler-se, numa mensagem de Luís Montenegro na rede social X.

Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, condenou na rede social X, o que chamou de “ato cobarde de agressão”.

As eleições parlamentares da União Europeia estão atualmente a decorrer na Dinamarca e no resto do bloco de 27 países e terminam no domingo.

Frederiksen tem estado a fazer campanha com a candidata principal dos sociais-democratas à UE, Christel Schaldemose. Os meios de comunicação social referiram que o ataque não estava relacionado com um evento de campanha.

A violência contra políticos tornou-se um tema recorrente no período que antecedeu as eleições europeias. Em maio, um candidato dos sociais-democratas alemães, de centro-esquerda, foi espancado e gravemente ferido quando fazia campanha para um lugar no Parlamento Europeu.

Na Eslováquia, a campanha eleitoral foi ensombrada por uma tentativa de assassínio do primeiro-ministro populista Robert Fico, a 15 de maio, que provocou ondas de choque no país de 5,4 milhões de habitantes e repercutiu-se por toda a Europa.

Mette Frederiksen, 46 anos, é a líder do Partido Social Democrata e é a primeira-ministra da Dinamarca desde 2019.

Frederiksen dirigiu a Dinamarca durante a pandemia global de covid-19 e foi responsável pela controversa decisão, em 2020, de eliminar toda a população de martas em cativeiro da Dinamarca para minimizar o risco de os pequenos mamíferos retransmitirem o vírus.

As agressões a políticos na Dinamarca são raras.

Em 23 de março de 2003, dois ativistas atiraram tinta vermelha ao então primeiro-ministro Anders Fogh Rasmussen, no interior do parlamento, tendo sido imediatamente detidos. O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Per Stig Møller, também sofreu alguns salpicos nesse dia.

Europa

Mais Europa

Patrocinados