Quase todo o país em seca severa ou extrema no final de fevereiro. Previsão mais grave é a mais provável

3 fev, 22:00

Todos os modelos do IPMA indicam pouca chuva até ao final do mês

Quase todo o país, de Norte a Sul, deve acabar o mês de fevereiro em seca severa ou extrema. Este é o cenário mais provável das previsões feitas pelos climatologistas do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).  

Aliás, todos os cálculos feitos pelo IPMA, com base em seis diferentes modelos de previsão, indicam que fevereiro vai ser um mês de pouca chuva - a dúvida é se ficará muito ou pouco abaixo da média dos últimos anos. 

Recorde-se que no final de janeiro o território do Continente em seca severa ou extrema rondava os 45 por cento e as duas categorias de seca mais graves iam desde o Algarve até Leiria, com passagem por Beja, Évora, Setúbal, Santarém, Lisboa e Castelo Branco.

Parece muito, mas o cenário mais provável para o final de fevereiro, diz o IPMA, é o "mais gravoso". Ou seja, a seca extrema deve alargar-se e chegar, inclusive, até ao distrito de Setúbal e Lisboa, enquanto que a seca severa deverá chegar aos distritos de Coimbra, Guarda, Viseu, Aveiro, Porto, Braga, Vila Real e Bragança.

Segundo o IPMA o cenário mais provável "implica um agravamento do índice de seca meteorológico generalizado, de sul a norte do continente, bem como nas zonas do norte litoral", destacando-se que "a intensidade da seca meteorológica na região a sul do Rio Tejo terá a seca extrema como classe dominante e a norte do Tejo será a classe de seca severa".

A falta de chuva que atinge Portugal (mas também Espanha) está ligada, de acordo com o IPMA, "a uma área anticiclónica estabelecida há várias semanas na zona atlântica ou na Europa Ocidental e que vai oscilando de posição, sem no entanto enfraquecer significativamente e sem se deslocar mais para sul, onde normalmente se situa nesta época do ano, o que permitiria a passagem de superfícies frontais com precipitação".

Relacionados

Clima

Mais Clima

Patrocinados