“Dar moedinha” a crianças a mendigar é “ser cúmplice”, dizem os especialistas

Agência Lusa , MCP
11 mai, 14:58
mendicidade (pexels)

Representante da Associação Planeamento da Família, Marta Pereira, afirma que só se combate a mendicidade forçada a partir de denúncia dos casos

Especialistas defenderam hoje que “dar a moedinha” a uma criança que está a mendigar é “ser cúmplice” de mendicidade forçada e apelam à denúncia de situações que pareçam suspeitas.

À margem de um seminário dedicado ao tema “Tráfico de Seres Humanos: O tempo de Justiça e o Tempo da Vítima”, o Relator Nacional para o Tráfico de Seres Humanos, Manuel Albano, disse aos jornalistas que obrigar uma criança a mendigar é cortar-lhe direitos.

“Quando falamos de uma criança a pedir, estamos a cortar os direitos dessa criança, o direito à educação, a ser criança, a brincar. E nós, enquanto sociedade, também somos cúmplices dessa situação porque, ao darmos a moeda à criança, ao não denunciarmos a situação, estamos a colaborar”, alertou.

No entanto, é preciso considerar que “ao não dar a moeda, a criança pode ser punida ou castigada por quem a está a traficar”, diz a representante da Associação Planeamento da Família, Marta Pereira afirmando que só se combate a mendicidade forçada a partir da denúncia dos casos.

“O combate [à mendicidade forçada] passa pela desocultação do fenómeno, por conhecermos os sinais, por podermos olhar para estas situações e percebemos se existe ou não algum tipo de exploração, de trafico, de violência”, apontou.

Marta Pereira referiu que “a mendicidade em si não é crime, a forçada sim, e o tráfico para mendicidade ainda mais”, pelo que “é mesmo importante a desocultação, o conhecimento do fenómeno, da comunidade no geral”.

Para esta especialista, no caso das crianças a mendicidade é sempre forçada: “Se temos crianças em mendicidade estamos perante uma mendicidade forçada, nenhuma criança tem livre arbítrio para decidir estar numa situação de mendicidade”, apontou.

“As crianças têm de estar na escola, bem tratadas, se estamos perante uma criança a mendigar, tem de ser sinalizada no imediato”, disse.

Questionada sobre o que é mendicidade forçada, Marta Pereira esclareceu que se entende por “alguém que explora outra pessoa no sentido de angariar dinheiro para ela”. Casos que se devem denunciar, apela.

“O cidadão comum tem de denunciar, ou a um órgão policial, ou a equipas especializadas. É fundamental a sinalização, o cidadão comum tem este papel fundamental de ver e relatar”, salientou Marta Pereira.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados