Príncipe Harry e Meghan fazem visita surpresa à rainha Isabel II

15 abr, 11:54
Principe Harry e Meghan Markle visitam Nova Iorque

Casal visitou a monarca na Quinta-feira Santa, durante uma breve passagem pelo país

O príncipe Harry e Meghan Markle visitaram a rainha Isabel II no Castelo de Windsor, naquela que foi a primeira visita conjunta ao Reino Unido desde que abdicaram dos títulos reais e se mudaram para os Estados Unidos há dois anos.

De acordo com o porta-voz do casal, citado pela AP, Harry e Meghan visitaram a monarca na quinta-feira, durante uma breve passagem pelo país, enquanto se deslocavam para os Países Baixos para comparecer aos Invictus Games (Jogos Invictus). Importa referir que o neto da rainha é fundador e patrono desta competição desportiva internacional entre veteranos militares.

A visita à rainha aconteceu na Quinta-feira Santa, um dia da semana que antecede à Páscoa, e que a rainha durante décadas assinalou distribuindo moedas de prata conhecidas como “dinheiro sagrado” aos reformados na igreja. Este ano, a rainha, que tem enfrentado problemas de mobilidade nos últimos meses e contraiu covid-19 em fevereiro, não compareceu. Em vez disso, foi representada pelo filho mais velho, o príncipe Charles, e a mulher Camilla.

Há cerca de um ano, a entrevista de Harry e Meghan a Oprah Winfrey caiu como uma bomba no Reino Unido, abalando a monarquia com pesadas acusações de racismo, insensibilidade e relações familiares tensas.

Entre as confissões e desabafos, os duques de Sussex, agora a viver nos EUA, disseram-se aliviados por terem deixado a família real, afirmaram que não lhes foi dado apoio durante a primeira gravidez de Meghan, alegaram que membros da família questionaram “quão escuro” seria Archie, o primeiro filho do casal, - o que levou William a afirmar que não eram uma família racista -, a desconfiança de que existiria disputa entre duquesas foi também adensada na mesma entrevista, com Meghan a contar o que tinha acontecido no casamento, Harry revelou que o príncipe Carlos não lhe atendia os telefonemas e que o apoio financeiro lhe tinha sido cortado por parte da família real, na qual se sentiu preso a maior parte do tempo da sua vida. 

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados