Há dois portugueses entre os reféns retidos em Gaza há mais de oito meses

Agência Lusa , DCT
18 jun, 19:14
Faixa de Gaza (EPA/ABIR SULTAN)

Ministro dos Negócios Estrangeiros afirma desconhecer a sua situação, esclarecendo que os dois tinham adquirido nacionalidade portuguesa antes do ataque do Hamas

Dois reféns de nacionalidade portuguesa permanecem retidos em Gaza, desconhecendo-se a sua situação atual, na sequência do ataque do movimento islamita palestiniano Hamas a Israel em 7 de outubro, confirmou esta terça-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

Segundo Paulo Rangel, que indicou não poder dar muitos detalhes, havia três cidadãos nacionais entre os reféns, um dos quais soube-se recentemente que estava morto.

Sobre os outros dois, o ministro disse desconhecer a sua situação, mas referiu que tinham adquirido nacionalidade portuguesa antes do ataque do Hamas, que fez mais de 200 reféns.

Paulo Rangel falava numa audição sobre a situação na Faixa de Gaza na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, a pedido do Bloco de Esquerda e PCP, e respondia a uma pergunta do deputado da Iniciativa Liberal Rodrigo Saraiva sobre a existência de portugueses entre os reféns.

O cidadão luso-israelita Dror Or, de 49 anos, foi morto e o seu corpo está retido na Faixa de Gaza desde 7 de outubro do ano passado, anunciaram, em maio, as autoridades israelitas e familiares.

A mulher de Dror Or foi morta no ataque, enquanto dois dos três filhos, de 17 e 13 anos, foram raptados e depois libertados no âmbito de um acordo de tréguas entre Israel e o Hamas no final de novembro.

Por outro lado, a deputada comunista Paula Santos questionou o ministro sobre diligências para retirar familiares de um cidadão português retidos na Faixa de Gaza.

O governante esclareceu que o português é casado com uma mulher luxemburguesa, cuja família está no enclave palestiniano, pelo que compete às autoridades daquele país responder a esta situação.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados