Croácia
45'
0 - 1
Albânia

Pediram-me para cozinhar para um convidado-mistério. Quando ele apareceu: era o presidente da China

CNN , Maggie Wong
10 jun, 22:00
Mauro Colagreco

A comida une o mundo

Durante os 11 anos em que o líder chinês Xi Jinping esteve no poder, deu involuntariamente início a inúmeras tendências gastronómicas e de viagens, desde o aumento da venda de bao em Pequim até à aceleração da venda de um pub inglês.

Mas quando se trata dos jantares oficiais de Estado em que participa, raramente o público tem a oportunidade de experimentar esses mesmos pratos.

Até agora.

No início de maio, Xi partiu para uma viagem pela Europa, a sua primeira desde 2019. Enquanto estava em Paris, o presidente francês Emmanuel Macron organizou um banquete formal de estado no Palácio do Eliseu em homenagem ao líder chinês, marcando o 60º aniversário dos laços diplomáticos China-França.

Mas os comensais curiosos que esperam ter a oportunidade de provar o que foi servido aos dois líderes mundiais não vão encontrar os pratos em Paris.

Para isso têm de se dirigir ao restaurante Plaisance, de Hong Kong, que lançou um menu especial China-France State Dinner Experience, disponível até ao final de junho.

O restaurante é uma filial de Mauro Colagreco, chefe-proprietário do famoso restaurante Mirazur, em Menton, França, e um dos três chefs convidados para criar o menu do jantar de Estado.

A oportunidade de cozinhar para um convidado misterioso

O chef Mauro Colagreco foi um dos três chefs encarregados de elaborar o menu de um jantar de Estado oferecido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, ao líder chinês Xi Jinping foto Lai Sun Dining

Colegreco diz que a oportunidade de cozinhar para os famosos líderes mundiais começou com um telefonema do Palácio do Eliseu.

“Pediram-me para participar na ementa deste banquete de Estado. Eu não podia saber quem seria o Presidente convidado, por razões de segredo de Estado”, conta Colegreco à CNN por correio eletrónico, acrescentando que rapidamente aceitou a tarefa.

“Isso aumenta a excitação, pois nunca se sabe quais serão os gostos dos convidados. Mas no final criámos um menu que é muito fiel à cozinha que adoro, com produtos excecionais e sabores delicados.”

Colegreco foi encarregado de conceber a entrada da noite.

Com a sua formação ítalo-argentina e experiência em França, o chef é conhecido por fundir influências de todas essas culturas, com um forte enfoque na sazonalidade e na sustentabilidade.

Em 2019 tornou-se com o Mirazur o primeiro chef não francês a ganhar três estrelas Michelin em França. Foi coroado o restaurante n.º 1 nos prémios World's 50 Best Restaurants nesse mesmo ano.

Colagreco diz que a sua equipa só teve um mês para conceber e preparar o prato para o jantar de Estado - mas os chefs tiveram “carta branca” para criar o que quisessem, desde que “fosse representativo e respeitasse os produtos franceses”.

“Devo admitir que fiquei bastante confiante quando descobri quem era o convidado. Tenho um profundo amor pela Ásia e a minha primeira experiência lá foi em Xangai, em 2011”, diz Colagreco.

Além do restaurante Plaisance em Hong Kong, o seu grupo de restaurantes tem agora cinco estabelecimentos na China continental.

Colagreco diz que foi uma experiência desafiante e emocionante criar um menu para os dois líderes mundiais.

Depois de elaborarem as receitas, os chefes enviaram as suas várias exigências e listas de ingredientes à equipa de cozinha do Palácio do Eliseu, liderada pelo chef Fabrice Desvignes.

Depois, na manhã do jantar de Estado, a equipa Mirazur chegou para começar a preparar a noite juntamente com os outros chefs. Neste curto espaço de tempo, Colagreco diz que tiveram de ser flexíveis - por isso orientaram-se rapidamente e sem problemas numa cozinha desconhecida.

“Depois recebemos a visita da Sra. Brigitte Macron nas cozinhas, o que nos tranquilizou e motivou”, conta sobre o encontro com a primeira-dama de França.

“É uma grande responsabilidade cozinhar para ela. Só agora é que nos apercebemos da sorte que tivemos em fazer parte deste momento maravilhoso”.

A entrada que impressionou a primeira-dama da China

A entrada de Mauro Colagreco, chamada Tourteau & Oscietra Caviar, é coberta com pétalas de flores cultivadas na quinta do seu restaurante foto Lai Sun Dining

No total, foram convidados 250 pessoas para o jantar de Estado.

O menu final foi relativamente curto - uma refeição de três pratos para se adequar aos horários apertados dos líderes.

A entrada de Colagreco foi um bolo de caranguejo Tourteau (caranguejo caseiro de França) e caviar Oscietra, coberto por uma bela geleia de flores cor-de-rosa e roxas.

“Toda a equipa dedicou algum tempo a criar um prato surpreendente”, diz Colagreco.

“Tínhamos de oferecer sabores que apelassem ao paladar de todos mas que também apresentassem a nossa identidade culinária. O objetivo era mostrar a nossa experiência em alimentação saudável e o respeito pelo produto.

“Mas foi também uma apresentação artística e colorida, com o véu das nossas flores cosmos que trouxemos dos nossos jardins únicos de Mirazur. A estética é muito importante porque é a primeira abordagem a um prato e este é particularmente requintado.”

E, felizmente para o chef, essa atenção ao pormenor não passou despercebida.

“A mulher do Presidente chinês pareceu achá-lo muito atrativo, por isso: missão cumprida.”

Colagreco teve oportunidade de falar com os convidados no final do jantar. Foi nessa altura que, segundo ele, Peng Liyuan, a mulher de Xi, lhe agradeceu e elogiou a estética, a delicadeza e os sabores da entrada.

Pierre Gagnaire, chef do restaurante homónimo de três estrelas Michelin em Paris, foi o responsável pelo prato principal da noite.

Optou por servir frango de Bresse cozinhado lentamente e morcelas numa mistura de conhaque, vinho do Porto e vinho da Madeira e caldo de galinha. O prato foi coberto com um molho feito com Vin Jaune, um vinho branco especial produzido na região vinícola do Jura, em França.

A sobremesa, uma pavlova de morangos e verbena, criada pela fundadora da Délicatisserie e chef de pastelaria Nina Métayer, encerrou a noite.

A Fromagerie Quatrehomme, queijaria e refinaria em Paris desde 1953, selecionou os queijos para o evento. Toda a louça utilizada durante o jantar foi fornecida pela La Manufacture de Sèvres, fundada em 1759 e uma das principais fábricas de porcelana real/nacional de França.

A comida é o que une o mundo

Os comensais de Hong Kong podem agora provar os três pratos servidos no jantar de Estado francês no restaurante Plaisance da Colagreco, em Hong Kong foto Lai Sun Dining

No restaurante Plaisance de Colagreco, em Hong Kong, os comensais podem provar os três pratos servidos a Xi e Macron durante o jantar de Estado.

O chef afirma que os pratos e os ingredientes mantêm-se fiéis às versões originais - apenas as apresentações é que são ajustadas, uma vez que os utensílios de mesa são diferentes.

Para aqueles que têm um pouco mais de tempo do que Xi e Macron, o restaurante também oferece um menu mais longo com três pratos adicionais dos restaurantes Mirazur e Plaisance. O custo da opção de três pratos começa em 220€, enquanto o menu de seis pratos custa 247€.

Depois de se ter mudado para França em 2001 e de ter aberto o Mirazur em 2006, Colagreco diz que o jantar de Estado foi um momento especial.

“Estou verdadeiramente orgulhoso e honrado por ter sido escolhido para este jantar excecional e por representar França, o meu país de acolhimento há quase 23 anos, através da minha cozinha”, diz o chef, que tem agora 47 anos.

“Acredito verdadeiramente que a comida é o que une o mundo. Cozinhar é um ato de amor. Enquanto chefes de cozinha, temos o dever de transmitir estes valores de partilha e de contribuir para um ambiente positivo para este tipo de jantar diplomático. Somos embaixadores, utilizando a nossa cozinha para mostrar o saber-fazer francês e para dar a conhecer a nossa cultura através dos sabores e das combinações de sabores.”

Europa

Mais Europa

Patrocinados