Comissão para acompanhamento da crise nos serviços de obstetrícia vai propor encerramento de maternidades

3 set, 11:35
Maternidade

Diogo Ayres de Campos, o coordenador do grupo criado para dar resposta aos problemas nos serviços de obstetrícia e ginecologia, revelou que proposta vai incluir encerramento de maternidades e uma nova rede de referenciação de obstetrícia, ginecologia e neonatologia

O coordenador da comissão criada para dar resposta à crise nos serviços de urgência de obstetrícia e ginecologia e nos blocos de partos defende que é necessário fechar mais maternidades.

Em entrevista à Renascença, Diogo Ayres de Campos admite que não há alternativas ao encerramento de unidades e serviços e que será essa a recomendação que vai fazer ao Governo, ainda que assuma que a decisão final será sempre política.

"Já manifestei várias vezes a minha opinião de que como não temos obstetras e ginecologistas suficientes no SNS, e não conseguimos inventá-los, a única forma de resolver o problema é concentrar recursos”, disse Ayres de Campos à Renascença.

A comissão vai propor a criação de hospitais de três níveis: os de terceiro nível serão os mais diferenciados mas não poderão existir em todas as localidades.

“Nos sítios com menos população não há forçosamente necessidade e haver nível 1, 2 e 3, porque depende da distância. A primeira coisa que fizemos foi calcular as distâncias entre um hospital e outro, mas é possível referenciar certo tipo de situações, mais raras, que é preciso mais experiência para os de nível 3 que estão localizados nas grandes cidades. Não é forçoso cada região ter o seu hospital de nível 3”, diz o presidente da comissão. 

Ayres de Campos assinala também que é preciso salvaguardar as diferenças entre os casos urgentes e as consultas e cirurgia programadas, que poderão ser enviadas para centros que ficam a mais de uma hora de distância. 

A proposta final do documento da comissão será apresentada até 14 de setembro e oferece já um novo desenho da rede de referenciação de obstetrícia, ginecologia e neonatologia. 

País

Mais País

Patrocinados