Menino de nove anos fugiu do massacre saltando pela janela da sala de aula

CNN , Travis Caldwell
30 mai, 11:47
Massacre em Uvalde

Criança de 9 anos descreve a sua fuga por uma janela durante o tiroteio na escola de Uvalde, enquanto cresce a reação de raiva quanto à resposta das forças de autoridade

Quando um atirador entrou numa escola primária em Uvalde, Texas, nos Estados Unidos, na semana passada e começou a disparar, um aluno diz que o seu professor – já ferido por balas - teve de enviar uma mensagem de texto para o 911 [linha telefónica de emergência, semelhante ao 112 de Portugal] para pedir ajuda, depois de não ter sido atendida uma chamada telefónica.

Daniel, de 9 anos de idade, contou à CNN, ao lado da sua mãe, Briana Ruiz, que o atirador disparou vários tiros contra a sua sala de aula na escola Robb Elementary, depois de não conseguir entrar. A porta tinha sido trancada pelo seu professor, que as balas acabaram por atingir, ao o professor bem como um colega de turma.

Daniel começou por "esconder-se debaixo de uma mesa junto à parede", e, segundo disse, conseguia ver o atirador através da janela da porta. "Ainda consegui ver a sua cara", recordou. "Podia vê-lo a olhar para as pessoas mesmo à minha frente".

Daniel escapou mais tarde por uma janela partida, cortando a mão num vidro, disse, e as duas pessoas feridas na sua classe sobreviveriam. No entanto, a sua prima, Ellie Garcia, estava numa sala de aula diferente e era uma das 19 crianças e dois professores que foram mortos no tiroteio.

O Departamento de Segurança Pública do Texas estabeleceu uma cronologia do tiroteio de terça-feira, mostrando que o atirador esteve numa sala de aula com alunos durante mais de uma hora antes de ser alvejado e morto por uma equipa de resposta tática da Patrulha de Fronteira. No entanto, subsistem questões sobre se a resposta das autoridades de aplicação da lei foi suficientemente atempada para evitar mais baixas.

A pedido do presidente da câmara de Uvalde, o Departamento de Justiça dos EUA anunciou que irá conduzir um inquérito sobre as circunstâncias em torno do tiroteio.

"O objectivo é fornecer um relato independente das ações e respostas das forças da lei nesse dia, e identificar lições aprendidas e boas práticas para ajudar a preparar e responder a acontecimentos de tiroteio ativo", disse o Departamento num comunicado de domingo.

Alfred Garcia, cuja filha foi morta no tiroteio, disse à CNN que estava "incrédulo" em relação ao tempo decorrido durante o tiroteio antes de este terminar e partilhou a sua frustração em relação à resposta das autoridades. "Não é preciso ser um génio para perceber que demoraram demasiado tempo a entrar e, se tivessem chegado mais cedo, e alguém tivesse tomado medidas imediatas, poderíamos ter mais crianças aqui hoje, incluindo a minha filha", afirmou.

O Presidente Joe Biden e a Primeira-Dama, Jill Biden, visitaram Uvalde no domingo para prestar as suas condolências, assistindo à Missa e pondo flores num memorial para as vítimas. Os dois também se encontraram em privado com familiares das vítimas, assim como com os primeiros socorristas.

Os serviços funerários para as vítimas vão começar esta segunda-feira e as casas funerárias em Uvalde comprometeram-se a suportar os custos das famílias.

Resposta da polícia posta em causa

As ações empreendidas pelos socorristas - ou a falta delas - durante o tiroteio têm sido um ponto focal daqueles que dizem mais tal deveria ter sido feito mais cedo.

Os agentes da lei no Texas são treinados para intervir rapidamente, de acordo com as diretrizes de atiradores ativos da comissão estatal de formação em aplicação da lei 2020, obtidas pela CNN, que afirma que "a primeira prioridade dos agentes é avançar e confrontar o agressor".

"Como primeiros socorristas, temos de reconhecer que a vida inocente tem de ser defendida", diz o manual. "Um socorrista não disposto a colocar a vida dos inocentes acima da sua própria segurança deve considerar outra área de carreira".

Sete oficiais chegaram ao local dois minutos após o disparo do atirador na sala de aula. Três oficiais aproximaram-se da sala de aula trancada onde estava o atirador e dois oficiais sofreram ferimentos devido a balas disparadas por detrás da porta, disse o Departamento de Segurança do Texas. Os agentes estacionaram então no corredor.

Agentes da Patrulha de Fronteira pertencentes a uma unidade especializada chegaram ao local por volta das 12h15 - cerca de 45 minutos depois de o atirador ter começado a disparar. O oficial responsável já tinha determinado que o sujeito estava barricado na sala, de acordo com uma fonte familiarizada com a situação.

A equipa não arrombou a porta da sala de aula durante pelo menos mais 30 minutos, de acordo com a cronologia fornecida pela Departamento. Como a Patrulha de Fronteira serve muitas vezes de apoio, adiaram para a agência sob comando, de acordo com a fonte.

Uma chamada para o 911 feita às 12:16 p.m., segundo o Departamento, de uma rapariga numa das salas de aula onde os alunos foram baleados disse ao operador que oito ou nove alunos ainda estavam vivos.

Quando questionado na sexta-feira por que razão os oficiais não entrara, mais cedo, o Director do Departamento de Segurança Pública do Texas, Steven McCraw, disse: "acreditava-se na altura que o sujeito estava estacionário e barricado", e acrescentou que se acreditava também que "não havia risco para outras crianças".

"Em retrospetiva, de onde estou sentado neste momento -- claramente havia crianças na sala, claramente elas estavam em risco", disse McCraw. "Podia haver crianças que estivessem feridas, que podiam ter sido alvejadas mas estivessem feridas, e é importante para efeitos de salvamento de vidas que se chegue lá imediatamente e se preste ajuda".

Um polícia limpa o memorial improvisado antes da visita do Presidente Joe Biden à Robb Elementary School em Uvalde, Texas, no domingo.

A comunidade reúne-se

No rescaldo do tiroteio, está a ser prestado apoio às pessoas da comunidade.

Carlos Hernandez, cujo restaurante fica a cerca de um quilómetro e meio da Robb Elementary, escreveu no Facebook horas após o tiroteio: "Não há maneira possível de abrir a minha cozinha com o coração partido e divertir-me a fazê-lo". Na quinta-feira - no seu 33º aniversário - Hernandez decidiu cozinhar para a comunidade, preparando pratos favoritos, incluindo asas de frango, macarrão e queijo, e tacos de peixe frito.

Em duas horas, Hernandez tinha dado mais de 60 pratos familiares para alimentar famílias de luto e vizinhos que ainda estão a aprender como lidar com a tragédia infligida à sua comunidade unida.

"É uma situação realmente difícil, estou apenas a tentar mostrar às crianças que elas nos têm como espinha dorsal e sistema de apoio", disse Hernandez à CNN. "Nós damos sempre, quer haja ou não um incidente".

Noutro lugar em Uvalde, a Biblioteca Memorial El Progreso tornou-se um local de cura. Na quarta-feira, apenas um dia após o tiroteio, a bibliotecária infantil Martha Carreon sentou-se diante de filas de carinhas, lendo, cantando e rindo com as crianças, levando-as para um lugar seguro, longe da escola, onde muitas delas se tornaram testemunhas de horror.

"Queremos que o nosso edifício seja um espaço seguro, um refúgio tranquilo, calmo e fresco", disse o director da Biblioteca Memorial El Progreso, Mendell Morgan, à CNN.

Juntamente com psicólogos que estarão disponíveis todos os dias da semana para crianças e adultos com quem falar, haverá também praticantes de massagem terapêutica, voluntários para atividades artísticas e artesanais, pianistas para tocar música relaxante, e até ilusionistas para realizar espetáculos profissionais de magia.

"Esta é uma comunidade forte, onde temos verdadeiro cuidado e preocupação uns pelos outros", disse Morgan. "Muitos, se não a maioria aqui, agarram-se à sua fé acreditando em Deus, que o bem é mais forte do que o mal e que a luz é mais forte do que a escuridão".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados