Negou um dos maiores massacres nos EUA. Agora vai ter de pagar mais de quatro milhões de dólares

CNN Portugal , FMC
5 ago, 00:41
Alex Jones terá de pagar mais de 4 milhões de dólares a família enlutada (Briana Sanchez/ AP)

Processo foi iniciado em 2018 pelos pais de uma das vítimas que acusaram Alex Jones de infligir fortes danos intencionais, perpetrando a dor

O fundador da Infowars (teoria de conspiração de extrema-direita e um site de partilha de notícias falsas), Alex Jones, foi acusado de difamação depois de afirmar que o massacre na escola primária Sandy Hook no Conneticut, que matou 26 pessoas, era um embuste. 

O julgamento que durou cerca de nove dias determinou o pagamento da indemnização pelos danos emocionais causados e ficou marcado pela afirmação por parte do arguido de que o massacre "foi 100% real" e por um pedido de desculpas. 

Passou-se quase uma década desde o dia fatídico. A escola primária Sandy Hook, em Newtown, no estado norte-americano do Conneticut, sofreu um grande massacre, vitimando 20 crianças e seis adultos e marcou o país com mais um episódio atroz. 

Durante anos, Alex Jones publicou na sua plataforma noticiosa que tal nunca tinha acontecido, que era tudo uma "fachada" e que as vítimas estariam vivas. Além disso, defendeu que tanto as vítimas como os seus entes queridos eram "atores de crise" que procuravam um ardil elaborado para forçar ao controlo de armas. 

Assim sendo, os pais de Jesse Lewis, um menino de seis anos que morreu durante o tiroteio, iniciaram, em 2018, um processo contra Jones por difamação, exigindo uma compensação pelos danos causados, noticiou o The Guardian.  

Heslin and Scarlett Lewis testemunharam durante o julgamento, onde confessaram transtornos emocionais, causados pelo impedimento de sarar as feridas da dor pela disseminação destas teorias da conspiração. Além disso, afirmaram ter sido alvos de assédio e ameaças pelas teorias da conspiração disseminadas. 

Contaram que as mentiras partilhadas "mancharam a honra do filho" e que viveram "atormentados durante anos". Heslin descreveu os últimos "nove anos e meio" como um "inferno" em que chegou a temer por segurança. Dirigindo-se diretamente a Jones aclamou que "Jesse era real".  "Eu sou uma mãe de verdade", defendeu. 

Apesar do elevado montante, este ficou aquém do esperado - os queixosos tinham pedido 150 milhões de dólares (cerca de 147 milhões de euros). 

A defesa dos pais do menino contou à CNN que os clientes "estão emocionados" com o veredicto, sublinhando que o júri ainda não decidiu  " danos punitivos". Esta sexta-feira, espera-se um julgamento separado e mais curto, onde serão determinados esses danos.

O julgamento no Texas é um dos três que devem ocorrer nos próximos meses. Outras famílias também garantiram ir a julgamento, com datas previstas para setembro.

Alex Jones, para se proteger dos processos de que é acusado, escondeu os ativos da sua empresa de comunicação Free Speech Systems, que detém a Infowars, declarando falência. 

A decisão de punir Jones pela difusão de mentiras ocorre numa altura em que as teorias da conspiração e falsas notícias emergem e prejudicam a sociedade americana, mostrando que mentiras não saem impunes. 

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados