Crise nas urgências hospitalares: Marta Temido apresenta plano para o verão para resolver situação que se repete "sistematicamente em determinadas alturas do ano"

CNN Portugal , BCE
13 jun, 21:11

Marta Temido salientou que "infelizmente esta situação não é nova" e que "se repete sistematicamente em determinadas alturas do ano", nomeadamente no verão e na quadra natalícia

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou esta segunda-feira um plano de contingência para o verão que tem como objetivo "evitar situações" como as que ocorreram este fim de semana nos serviços de urgência no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Sabemos que estes constrangimentos, não sendo de hoje, estão agora numa fase mais nítida e aguda", começou por dizer Marta Temido, em declarações aos jornalistas, lembrando os dois anos de pandemia que obrigaram ao adiamento de medidas que o Governo queria ter implementado mais cedo.

Agora que estes constrangimentos se revelam com uma "outra gravidade", o Ministério da Saúde vai criar plano de contingência, que estará em curso nos meses de junho, julho, agosto e setembro, e que visa um "funcionamento mais articulado e antecipado das urgências em rede do SNS, eventualmente com precaução de questões remuneratórias associadas".

Além disso, acrescentou, este plano inclui ainda "a monitorização dos indicadores em termos de saúde materna" que o Ministério da Saúde se compromete a acompanha para garantir que "esta instabilidade que se instalou - e que importa clarificar - não se sobreponha ao valor da confiança num serviço público"

Adicionalmente, a ministra da Saúde antecipou ainda um plano de médio prazo que implica o estabelecimento de "uma coordenação que funcione nos mesmos moldes em que funcionou a Comissão de Apoio à Resposta em Medicina Intensiva", para estabelecer uma coordenação a nível nacional que permita "apoiar as reestruturações" necessárias nesta área, com especial atenção às especificidades regionais.

Marta Temido reconheceu ainda a necessidade de se "olhar para a dimensão da formação de recursos para a área de ginecologia e obstetrícia".

Questionada pelos jornalistas sobre as razões para esta situação nas urgências do SNS, Marta Temido salientou que "infelizmente esta situação não é nova", lembrando que "este tipo de situação se repete sistematicamente em determinadas alturas do ano", nomeadamente no verão e na quadra natalícia.

A ministra da Saúde foi ainda questionada sobre se está prevista ou não a contratação de mais médicos para o SNS, tendo respondido que será aberto ainda esta semana um concurso de médicos especialistas.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados