Saiba tudo sobre o Euro aqui

Miguel Albuquerque diz que missão da Marinha falhada na Madeira foi "episódio isolado"

Agência Lusa , CF
14 mar 2023, 13:51
Miguel Albuquerque

Presidente do Governo da Madeira sublinha que "a Marinha continua a desempenhar o seu papel" e que tem feito "um trabalho excecional", apesar do episódio de sábado à noite

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, considerou esta terça-feira que o episódio dos militares que se recusaram a embarcar no navio NRP Mondego, que se encontra na região, falhando uma missão, foi isolado e vai ser resolvido internamente.

“As Forças Armadas não são um problema neste momento. É um episódio isolado e será suscetível de ser resolvido no foro interno militar”, afirmou Miguel Albuquerque, em declarações aos jornalistas à margem de uma visita a uma empresa, no concelho de Santa Cruz.

Questionado se a população tem motivos para sentir-se insegura, o presidente do executivo insular defendeu que “os madeirenses neste momento têm de reconhecer quer à Força Aérea, quer à Marinha, dois ramos das Forças Armadas, um trabalho excecional”.

“Quero lembrar que a operação de transporte aéreo do Porto Santo continua a ser essencial para a Madeira e que a fiscalização da nossa plataforma e a presença da Polícia Marítima nas Selvagens é essencial para a fiscalização, prevenção e para o socorro na nossa plataforma continental e nas nossas águas”, referiu.

“Eu acho que a Marinha continua a desempenhar o seu papel”, acrescentou.

O NRP Mondego não cumpriu uma missão de acompanhamento de um navio russo a norte da ilha de Porto Santo, na Madeira, após 13 militares terem recusado, no sábado à noite, embarcar por razões de segurança, disse à Lusa fonte da Marinha, na segunda-feira à noite.

Esta ação levou a Marinha a considerar que os 13 operacionais “não cumpriram os seus deveres militares, usurparam funções, competências e responsabilidades não inerentes aos postos e cargos respetivos”.

“Estes factos ainda estão a ser apurados em detalhe, e a disciplina e consequências resultantes serão aplicadas em função disso”, referiu a Marinha, numa nota enviada à agência Lusa.

De acordo com um documento elaborado pelos 13 militares em questão, a que a Lusa teve acesso, no sábado à noite o NRP Mondego recebeu ordem para “fazer o acompanhamento de um navio russo a norte do Porto Santo”, numa altura em que as previsões meteorológicas "apontavam para ondulação de 2,5 a 3 metros”.

Segundo estes 13 militares, o próprio comandante do NRP Mondego “assumiu, perante a guarnição, que não se sentia confortável em largar com as limitações técnicas” do navio.

Entre as várias limitações técnicas invocadas pelos militares constava designadamente o facto de um motor e um gerador de energia elétrica estarem inoperacionais.

Acrescia ainda, de acordo com os 13 militares, que o navio “não possui um sistema de esgoto adequado para armazenar os resíduos oleosos a bordo, ficando estes acumulados nos porões, aumentando significativamente o risco de incêndio”.

Na nota enviada à agência Lusa, a Marinha confirma que o NRP Mondego estava com “uma avaria num dos motores”, mas refere que a missão que ia desempenhar era “de curta duração e próxima da costa, com boas condições meteo-oceanográficas”.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados