Fumar marijuana afeta ainda mais os pulmões dos fumadores de tabaco

CNN , Sandee LaMotte
20 nov, 19:00
Fumar canábis

Fumar marijuana enquanto fumador de tabaco pode agravar os danos ao sistema respiratório, revelou um novo estudo na matéria.

“Há uma ideia generalizada de que a marijuana é mais segura do que o tabaco, e este estudo levanta dúvidas acerca da veracidade dessa perceção”, disse a autora principal do estudo, Giselle Revah, professora assistente no departamento de radiologia da Universidade de Ontário, no Canadá.

“A Associação Americana dos Pulmões diz que a única coisa que deve entrar nos seus pulmões é ar limpo, por isso caso esteja a inalar algum tipo de fumo, lembre-se que poderá ser tóxico para os seus pulmões”, disse.

Um estudo preliminar

O estudo preliminar publicado na Radiology, uma revista da Radiological Society of North America, comparou tomografias computorizadas (TAC) do peito de 56 pessoas que fumavam marijuana e tabaco com tomografias de 33 pessoas que são grandes consumidores de tabaco há mais de 25 anos.

Foram utilizados rastreios de 57 não fumadores adicionais sem doença pulmonar pré-existente, quimioterapia ou outro historial de danos pulmonares.

Cerca de 75% das pessoas que fumavam marijuana e tabaco tinham enfisema, uma doença das pequenas vias respiratórias que causa danos nos sacos-aéreos dos pulmões. Cerca de 67% dos fumadores que apenas fumavam tabaco tinham enfisema, enquanto apenas 5% dos não fumadores tinham a doença, disse.

Uma diferença de 8% entre fumadores de marijuana e tabaco e os fumadores só de tabaco pode não parecer uma diferença enorme, mas é significativa, sublinhou Revah.

“Os resultados sugerem que a marijuana tem efeitos adicionais sobre os pulmões do que apenas o tabaco”, apontou. “É a combinação da marijuana e do tabaco que faz mais buracos nos pulmões e inflamação das vias respiratórias ou será apenas a marijuana?”

Uma outra preocupação era a idade dos fumadores de marijuana, grande parte deles eram muito mais novos do que 50 anos, observou.

“Presumivelmente, estes pacientes tiveram menos exposição ao fumo ao longo da sua vida, à exceção de estarem ainda mais doentes do que aqueles que são grandes fumadores de tabaco e já o fazem há mais tempo”, disse Revah. “Só não sabemos se é um efeito sinérgico entre a marijuana e o tabaco versus apenas a marijuana.”

Danos irreversíveis?

Os danos nas vias respiratórias causados pelo fumo podem tornar-se permanentes rapidamente, alertou.

“A inflamação das vias aéreas é reversível numa fase mais precoce. Quando vejo muco e espessamento das vias respiratórias nos meus pacientes, a interrupção da exposição ao fumo pode melhorar a situação. Contudo, por vezes isso pode levar a uma dilatação das vias respiratórias e quando está dilatado, torna-se irreversível.”

O estudo tinha algumas limitações, observou Revah. Tratava-se de um estudo pequeno. Havia pouca informação sobre quanta marijuana era fumada ou como era inalada, quer fosse com um bongo ou um charro.

No entanto, existem várias diferenças na forma como a marijuana e o tabaco são consumidos que poderiam fornecer informações para uma investigação mais aprofundada, disse. Por exemplo, o tabaco é tipicamente fumado com um filtro, enquanto a marijuana não.

“Se fumar um charro sem filtro, por exemplo, haverá um maior número de partículas nas vias respiratórias, que se depositarão e se tornarão incómodas, e é por isso que se vê o muco e a inflamação”, explicou.

Além disso, os fumadores de tabaco expiram com rapidez, enquanto os fumadores de marijuana frequentemente inalam e sustêm a respiração para aumentar os seus efeitos o máximo possível, disse.

“Normalmente, as pessoas têm uma grande capacidade de retenção de ar e volume, portanto acabam por reter um grande volume de fumo durante um período de tempo mais logo. Isso pode provocar um microtraumatismo nesses espaços aéreos. Todas estas são questões pertinentes para uma futura investigação.”

Investigações emergentes

Este não é o primeiro estudo a constatar a existência de danos pulmonares causados pela inalação de marijuana. Segundo um estudo realizado em junho, os utilizadores de canábis eram 22% mais propensos do que os não utilizadores a visitar um serviço de emergência ou a ser hospitalizados. A principal causa eram lesões físicas, mas as dificuldades respiratórias foram um segundo motivo de preocupação.

Um estudo de 2021 descobriu que os adolescentes têm cerca de duas vezes mais probabilidades de relatar “pieira ou assobio” no peito depois de fumarem marijuana do que depois de fumarem cigarros ou usarem cigarros eletrónicos.

“Sou frequentemente abordada tanto por pais como por adolescentes que acreditam que inalar canábis através de um cigarro eletrónico (vaping) é 'OK' e melhor do que fumar um charro”, disse Carol Boyd, diretora e fundadora do Center for the Study of Drugs, Alcohol, Smoking & Health da Universidade de Michigan em Ann Arbor, numa entrevista anterior à CNN.

“E então, perguntam: ‘vaping é seguro, não é?’. E eu respondo-lhes: ‘Está a enganar-se a si próprio. Todos sabemos que inalar fumo quente de tabaco/canábis não é saudável e pode causar bronquite ou problemas respiratórios potencialmente fatais”, disse Boyd, que também é professora emérita no departamento de comportamento de saúde e ciências biológicas da Escola de Enfermagem da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.

“E ainda assim, acreditam que aquecer químicos (incluindo carcinogéneos) em vapor e inalá-los é saudável? A minha resposta é: ‘Não, não é um comportamento saudável’", garantiu.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados