Marcelo diz que novos carros de luxo da TAP são "um problema de bom senso"

CNN Portugal , com Lusa
5 out, 16:46
Marcelo Rebelo de Sousa (Lusa)

O Presidente da República reagiu à investigação da CNN Portugal, que dá conta de que a TAP encomendou dezenas de carros de luxo para administradores executivos e diretores de topo

O Presidente da República apontou esta quarta-feira à companhia aérea portuguesa TAP “um problema de bom-senso”, na sequência da notícia sobre a compra de carros de luxos para administradores e diretores, defendendo contenção em tempos difíceis.

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado reagiu assim ao ser confrontado com notícias que dão conta de que a TAP encomendou dezenas de carros de luxo para administradores executivos e diretores de topo, uma investigação da CNN Portugal, segundo a qual estas viaturas vão substituir a atual frota automóvel da companhia aérea.

No entender do Presidente da República, é compreensível que as empresas façam despesas, mas defendeu que é preciso “ter algum bom senso” quando o país e o mundo atravessam um “período difícil”.

“É um problema de bom senso”, rematou, em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa.

A TAP encomendou dezenas de BMW para as suas principais chefias, melhorando o perfil da sua atual frota automóvel, constituída sobretudo por Peugeot. Os novos veículos têm um valor de mercado a partir dos 52 e dos 65 mil euros, são plug-in híbridos e começarão a chegar no início do próximo ano.

Segundo documentação interna a que a TVI/CNN Portugal e o portal Away – órgãos do grupo Media Capital – tiveram acesso, em causa está uma encomenda inicial de 79 veículos, das séries 5, X3 e X2 da marca alemã. A TAP, confrontada, garante que são apenas 50 veículos. O número real não é indiferente: se forem 79, a TAP não só melhora a sua frota como a aumenta.

Estes veículos destinam-se a administradores executivos e diretores de topo da companhia aérea. E são contratados com a empresa através de contratos de “renting”, isto é, pagamentos mensais de arrendamento de cada viatura. A TAP garante que gastará menos dinheiro na nova frota face à antiga, mas não é clara sobre porque não considerou marcas mais baratas.

 A Comissão Executiva da TAP garante que a nova frota automóvel vai permitir poupar em relação a cenários alternativos. Num email interno, a empresa divulga que vai pagar cerca de 500 euros de renda mensal por cada automóvel, ou seja, cerca de seis mil euros por ano.

Relacionados

Política

Mais Política

Patrocinados