Marcelo associa escolha de Pizarro a decreto sobre SNS mais próximo da sua opinião

Agência Lusa , FMC
9 set, 19:44

O Presidente da República associou esta sexta-feira a escolha de Manuel Pizarro para novo ministro da Saúde ao decreto-lei que cria uma direção executiva do SNS que considerou ser uma aproximação à sua opinião sobre esta matéria.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, no Rio de Janeiro, Marcelo Rebelo de Sousa referiu ter recebido esta sexta-feira a proposta de nomeação de Manuel Pizarro para substituir Marta Temido à frente do Ministério da Saúde, que aceitou, em conjunto com o decreto aprovado na quinta-feira em Conselho de Ministros.

"Eu naturalmente que aceitei a proposta do senhor primeiro-ministro, em conjunto com uma realidade que irei analisar nos próximos dias, na próxima semana, que é a regulamentação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), e em que parece que há passos no sentido daquilo que foi a minha opinião sobre a matéria", declarou.

Ressalvando que ainda não viu o decreto do Governo, o chefe de Estado acrescentou que "tudo indica que é uma solução que evolui para uma posição próxima daquela que eu tinha defendido", no sentido de "uma separação clara entre as decisões políticas ao nível de ministro e ministério e a gestão mais independente, mais autónoma, mais isenta através de outra instituição que não diretamente o ministério". 

"É neste quadro que naturalmente eu interpretei a escolha do novo ministro da Saúde, nome que me foi proposto esta sexta-feira", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa, que falava depois de uma cerimónia no navio-escola Sagres da Marinha portuguesa, na zona portuária do Rio de Janeiro, último ponto da sua visita oficial ao Brasil.

Política

Mais Política

Patrocinados