Marcelo não quis que Gomes Cravinho continuasse na Defesa

CNN Portugal , HCL
25 mar, 09:44
Marcelo Rebelo de Sousa (JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Segundo avança o Jornal público, Marcelo falou com António Costa sobre necessidade de um "novo ciclo" no Ministério da Defesa que passou a ser liderado por Helena Carreiras

Foi Marcelo Rebelo de Sousa que exigiu que João Gomes Cravinho abandonasse a pasta da Defesa, segundo avança o Público esta sexta-feira, atribuindo a decisão ao mal-estar gerado entre o ex-ministro da Defesa Nacional e o Presidente da República.

Em causa, está tanto a nova Lei Orgânica de Bases das Forças Armadas, como a nomeação de chefes militares que, no caso do Almirante Gouveia e Melo - nomeado Chefe do Estado-Maior da Armada em dezembro de 2021 - implicou diretamente o Presidente da República. 

O caso polémico da nomeação de Henrique Gouveia Melo ocorreu após João Gomes Cravinho o ter anunciado como o novo Chefe do Estado-Maior da Armada. No entanto, segundo os termos da lei orgânica das Forças Armadas, os chefes dos ramos são nomeados e exonerados pelo Presidente da República, sob proposta do Governo, que deve ser precedida da audição. Em setembro, Marcelo adiou a nomeação, sublinhando que “foi acertado um momento que não era este” e que a “palavra final” era sua. 

Gomes Cravinho chegou mesmo a ser convocado de urgência para uma reunião com o primeiro-ministro e com o Presidente da República, tendo, posteriormente, sido chamado à AR para uma audiência parlamentar.

O pedido de Marcelo, de acordo com o jornal, terá como objetivo pacificar o clima dentro das estruturas militares e colocar um travão ao clima “divisionista” entre Forças Armadas e Governo. Para isto, o Presidente da República defendeu junto de António Costa que era necessário “um novo ciclo” na Defesa.

Segundo o Público, Marcelo Rebelo de Sousa não colocou obstáculos à movimentação de pastas de Gomes Cravinho, que passou para o Ministério dos Negócios Estrangeiros. No entanto, durante este mandato, este ministério vai ser mais frágil do que o anterior, já que é o primeiro-ministro que concentra em si a tutela dos assuntos europeus.

Gomes Cravinho foi substituído no cargo de ministro da Defesa por Helena Carreiras, professora catedrática e diretora do Instituto da Defesa Nacional.

Política

Mais Política

Patrocinados