Mourinho: «Se visse o Papa, a minha reação seria querer um abraço»

31 mar, 19:24
Liga Europa: Salzburgo-Roma (EPA/Anna Szilagyi)

Treinador português participou numa conferência em Roma e assumiu admiração por Francisco. «É tão próximo, normal, ele é um de nós»

No mês em que se celebram 10 anos de pontificado do Papa Francisco, José Mourinho esteve presente na Pontifícia Universidade Gregoriana, uma universidade da Igreja Católica em Roma, e foi um dos oradores num ciclo de conferências.

O treinador português aproveitou para falar de Francisco, que está internado desde quarta-feira, com uma infeção respiratória.

«Ele é um de nós. Não queria que pensassem que é uma falta de respeito, mas é uma expressão: ele é um de nós. Muitas vezes ando pela Praça de São Pedro e acho que ele pode cumprimentar-me da janela. Nunca o encontrei pessoalmente, mas se um dia tivesse de fazê-lo, acho que a minha reação seria de querer um abraço dele. Não posso vê-lo apenas como Sua Santidade, porque para mim ele é tão próximo, normal, ele é um de nós na maneira de falar, todos o entendem perfeitamente. Ele é um avô», disse o special one, citado pelo Corriere dello Sport.

Mourinho também falou de futebol e considerou que «o desporto de alto rendimento é cruel», pois não reserva espaço para «os mais fracos», já que o único objetivo é «vencer».

«Os primeiros a conduzir os filhos para a crueldade do desporto de alto rendimento são os pais com as suas ambições. Na formação aprende-se muito, aprende-se mais do que na própria casa. A beleza de treinar futebol é a empatia, a solidariedade e envolve pesquisar a alegria de vencer e saber que quando se perde, a derrota não é o começo de um período difícil, mas o fim de um momento difícil», vincou.

Relacionados

Patrocinados