Quando alguém que amamos nos morre: as 5 fases do luto - e como percorrê-las

CNN , Kristen Rogers
18 set, 20:00
Saúde mental Getty Images

Perder um ente querido pode mudar toda a nossa vida. Psicólogos e autores explicam como se pode lidar melhor com a perda, partindo das 5 fases do luto - e acrescentando uma sexta.

Quando alguém que amamos morre, o mundo tal como o conhecemos é totalmente alterado.

Uma forma de as pessoas lidarem com isso, afirma a psicóloga Sherry Cormier, é tentar encontrar algum tipo de certeza. Esta necessidade de encontrar estrutura é provavelmente um fator por detrás da popularidade de há mais de 50 anos das chamadas "5 fases do luto", diz David Kessler, que fundou o site grief.com, que visa ajudar pessoas a lidar com o território inexplorado relacionado com o luto. Kessler foi co-autor do livro "On Grief and Grieving" [à letra, “Sobre o Luto e Sobre o Estar de Luto”] com a falecida Dra. Elisabeth Kübler-Ross.

Psiquiatra suíço-americana e pioneira dos estudos sobre pessoas em estado terminal, Kübler-Ross escreveu "On Death and Dying" [à letra, “Sobre a Morte e Sobre Morrer], o livro de 1969 no qual propôs o padrão de ajustamento ao doente e à morte, os "5 Estágios do Luto". As fases são a negação, a raiva, a negociação, a depressão e a aceitação.

"No livro propriamente dito, ela falou de mais de cinco fases", afirma Kessler. "Pense no contexto de 1969 - médicos e pessoal hospitalar não estavam a falar do processo de fim de vida... Elisabeth esperava realmente que ‘Sobre a Morte e Sobre Morrer’ iniciasse a conversa".

Desde então, tem havido uma extensa cobertura mediática das cinco etapas; a utilização em programas de televisão incluindo "A Anatomia de Grey" e "House"; apoio clínico; e críticas. Estas cinco fases são aquilo a que as pessoas se agarraram, diz Kessler.

Especialistas em luto e psicologia, bem como académicos, criticaram a estrutura por não ser completamente apoiada pela investigação, ao sugerir que os enlutados se movem através do luto sequencialmente ou ao implicar uma forma correta de luto. Mas estas sugestões não eram a intenção de Kübler-Ross, e ela declarou estas advertências na primeira página do livro, explica Kessler.

Mesmo se há debate entre os especialistas sobre as fases do luto, "as pessoas que estão na dor do luto estão apenas a dizer, 'Ajudem-me'", diz Kessler. Eis o que são as cinco fases do luto, e como se pode considerá-las e processá-las, em qualquer ordem que se experimente.

1. Negação

Na negação há graça, na medida em que não podemos assimilar completamente a dor, o choque e a descrença totais sobre a nossa perda num momento ou num dia, pelo que a dor se espalha ao longo do tempo, explica Kessler.

Mesmo se a negação, num sentido literal e disfuncional, significaria estar a tentar convencer-se de que o seu ente querido não morreu, ter uma incapacidade de compreender a perda durante algum tempo até é saudável, acrescenta – a negação não é algo de que precise de se libertar rapidamente.

Se estiver a lutar com um sentimento de negação esmagadora, pode tentar parar de lutar contra a realidade que lhe foi apresentada, diz a psicóloga Sherry Cormier, que é também especialista em traumas de luto e consultora.

2. A raiva

A raiva é outra reação natural à perda, quer seja a raiva contra a causa da morte, contra o falecido, contra o deus da sua religião, contra si próprio ou contra a aleatoriedade do universo, detalha Kessler.

"A raiva é o guarda-costas da dor. É como nós expressamos a dor", diz ele. "Essa fase dá às pessoas permissão para se zangarem de formas saudáveis, e para saberem que não é mau".

A raiva "pode ser uma âncora, dando estrutura temporária ao nada da perda. No início, a dor sente-se como se se estivesse perdido no mar: sem ligação a nada", descreve o site de Kessler. "Depois você fica zangado com alguém, talvez uma pessoa que não compareceu no funeral, talvez uma pessoa que não está por perto, talvez uma pessoa que é diferente agora que o seu ente querido morreu. De repente você tem uma estrutura - a sua raiva em relação a eles".

Por debaixo da raiva podem estar sentimentos de desesperança ou impotência, diz Cormier, por vezes estimulando sentimentos de culpabilização ou de vergonha, que algumas pessoas usam para manter uma ilusão de controlo ou exprimir frustração.

"As nossas mentes preferem sempre sentir-se culpadas a sentirem-se desamparadas", afirma Kessler.

Dependendo de como o seu ente querido morreu, uma forma de superar a culpa - e a raiva relacionada com a culpa - é perceber que, por muito horrível que seja a sua perda, ela não lhe foi cometida pessoalmente a si, diz Kessler.

"A realidade é que a taxa de mortalidade nas famílias é de 100%", descreve. "Todos vão acabar por morrer, mas as nossas mentes não conseguem compreender isso".

Permita-se expressar a sua raiva de formas saudáveis, aconselha Kessler, quer seja através de um "ioga do luto", a gritar no seu carro, a usar um saco de boxe, a correr ou através de outras formas de exercício.

3. Negociação

Muitas vezes, também devido à culpa, a negociação após uma perda envolve tipicamente declarações do tipo "se pelo menos…", centradas em arrependimentos sobre o que fez ou não fez antes da morte da pessoa, diz Kessler.

"Podemos até regatear com a dor. Faremos tudo para não sentir a dor desta perda", descreve o site de Kessler. "As pessoas pensam muitas vezes nas etapas como durando semanas ou meses. Esquecem que as fases são respostas a sentimentos que podem durar minutos ou horas à medida que entramos e saímos de uma e depois de outra".

Lembre-se de que vivemos num mundo onde por vezes acontecem coisas más apesar dos nossos melhores esforços, recomenda Kessler.

4. Depressão

A depressão, ou uma tristeza aguda, acontece quando a grande perda começa a afetar mais profundamente a sua vida. Talvez pareça que a tristeza irá durar para sempre, ou que lhe foi retirada a vida, ou que pense em vale a pena viver sozinho.

A tristeza atinge as pessoas em momentos diferentes, diz Cormier. Ela conheceu pessoas que não estão perturbadas no primeiro ano após a perda, mas no terceiro ano são consumidas pela tristeza. Porquê? Porque, durante algum tempo, alguns podem manter a ilusão de que o seu ente querido está fora em férias e pode regressar, explica.

Muitas vezes, a eventual e profunda tristeza "é realmente uma expressão de que 'o meu ente querido desapareceu e não regressou'", diz Cormier.

Mas esses sentimentos nem sempre devem ser rotulados como depressão clínica, acrescenta. Se pensa que está deprimido em torno de uma morte, consulte um psiquiatra para uma avaliação, aconselha.

Para lidar com a tristeza, também pode procurar apoio de amigos, família ou grupos de apoio de luto, e praticar regularmente o cuidado consigo próprio, sugere Cormier.

5. Aceitação

A aceitação não significa que fique bem com a ausência do seu ente querido. "Significa apenas que aceito agora a nova realidade da minha vida. Sou viúva, vivo sozinha. Já não tenho irmãos a quem chamar. Já não tenho pais para telefonar", diz Cormier, que escreveu o livro "Sweet Sorrow": Finding Enduring Wholeness After Grief and Loss" [à letra, “Doce Sofrimento: Encontrando a Plenitude Duradoura Após o Luto e a Perda”] depois de perder o marido e a família mais próxima.

A aceitação também não é o fim do luto. Talvez tenha muitos pequenos momentos de aceitação ao longo do tempo, diz Kessler, tais como quando planeia e assiste ao funeral.

"Uma das perguntas que mais me fazem é: 'Quando é que este luto vai acabar?'", acrescenta Kessler. "Muito gentilmente, perguntarei: 'Quanto tempo é que a pessoa vai estar morta? Porque se a pessoa vai estar morta por muito tempo, vai lamentar por muito tempo. Isso não significa que vai chorar sempre com dor. Para mim, o objetivo do trabalho de luto é, mais tarde ou mais cedo, recordar a pessoa com mais amor do que dor".

Chegar à aceitação significa que você está a curar, explica Cormier. Mas se não se consegue chegar lá, é preciso procurar ajuda profissional. O luto intenso e persistente - que causa problemas e interfere com o funcionamento quotidiano de uma forma que o luto típico não provoca após algum tempo -, é conhecido como distúrbio de luto prolongado, de acordo com a Associação Psiquiátrica Americana. A perturbação é a mais recente a ser acrescentada ao Manual de Diagnóstico e Estatística de Perturbações Mentais (DSM) revisto, publicado em março.

Para ser diagnosticada com distúrbio de luto prolongado, a morte de um ente querido tinha de ter ocorrido pelo menos um ano antes para os adultos, e pelo menos há seis meses para crianças e adolescentes, de acordo com a associação, que publica o DSM. Um sintoma é a dificuldade na reintegração, como deixar de perseguir interesses ou de interagir com amigos.

Cormier considera que nunca "superamos" o luto. A nossa tarefa é diferente de seguir em frente - é aprender a integrar a perda nas nossas vidas para que possamos avançar com uma nova realidade, acrescenta. "É uma espécie de ofensa para os enlutados dizer, 'Oh, vocês realmente passaram à frente. Não, penso que os enlutados não passaram à frente. Nós seguimos em frente".

A nova sexta etapa: encontrar significado

Após a morte, há quase cinco anos, do seu filho aos 21 anos de idade, Kessler queria algo para além da aceitação. Tinha estudado neurologia, psiquiatra e filosofia, e o trabalho do Dr. Viktor Frankl sobre significado, e questionou-se sobre o significado relacionado com o luto - que inspirou o seu livro "Finding Meaning: The Sixth Stage of Grief” [à letra, “Procurando Significado: A Sexta Eta Etapa do Luto"].

O significado não eliminou a dor de Kessler, mas almofadou-a, disse ele.

O significado está no que mais tarde fazemos ou compreendemos como as pessoas enlutadas, explica Kessler. Talvez reconheça a fragilidade da vida, tente mudar uma lei ou doar dinheiro a investigação para que ninguém morra como o seu ente querido, ou talvez faça uma mudança na sua vida.

 

 

Patrocinados