Montenegro quebra silêncio e alinha com Rio: "Faça a António Costa o que fez a mim e a Rangel"

18 dez 2021, 18:42
Luís Montenegro no Congresso do PSD. Foto: Lusa
Luís Montenegro no Congresso do PSD. Foto: Lusa

Depois de ter disputado as eleições internas de 2020 e do silêncio desde então, Luís Montenegro subiu ao palco do Europarque e fez vários pedidos

PUB

Dois anos depois de um silêncio "autoimposto", Luís Montenegro subiu ao palco do 39.º Congresso do PSD e pediu a Rui Rio para, a 30 de janeiro, fazer com António Costa aquilo que fez nas três eleições internas que enfrentou e ganhou. 

"Já demonstrou cá dentro que consegue ser eficaz e aproveitar oportunidades para ganhar eleições diretas e eu que o diga. E que o diga também Paulo Rangel. Portanto, Rui Rio, o que queremos é que faça o mesmo a António Costa e ao Partido Socialista".

PUB

"Use a eficácia dos argumentos, utilize as oportunidades que estão em aberto", aconselhou ainda.

Mas o pedido de Montenegro não ficou por aqui: disse ainda ao presidente do PSD para utilizar "a força que vem de dentro do partido" para procurar "a força que está dentro dos portugueses", porque só assim o partido sairá vitorioso nas próximas legislativas. 

Garantias de Costa

O social-democrata avisou que "é preciso exigir respostas concretas de António Costa” sobre compromissos assumidos entre o PSD e os socialistas, nomeadamente na viabilização de orçamentos do Estado em caso de um governo minoritário.

PUB
PUB
PUB

"O PS e António Costa têm de garantir que farão o mesmo connosco. Têm de dizer de uma forma clara e cristalina se fazem o mesmo connosco”, reforçou. O momento dessa clarificação, disse, é na campanha eleitoral. 

Montenegro aproveitou também para exigir que se faça ao PS as mesmas perguntas que são feitas ao PSD: com quem quer coligar-se? Com quem quer negociar? Como vai suportar no Parlamento um governo minoritário?.

Ainda assim, o militante pediu a Rui Rio uma "maioria parlamentar não socialista".

"O país não precisa de um bloco central de governo e ainda menos de um bloco central de interesses, mas precisa de um bloco central de políticas, só que o PS não quer", por isso, a única "via verde disponível é uma maioria absoluta nas legislativas". 

"Estive sempre perto. Calado, mas perto"

As primeiras palavras do discurso de Montenegro foram a jutificar o seu afastamento da esfera política ao longo dos últimos dois anos, garantindo, no entanto, que "esteve sempre perto, calado, mas perto". 

"Estive perto dos que precisaram e dos que me procuraram (…) Quero dizer-vos que o silêncio, que solitariamente me autoimpus, foi o meu contributo para atingirmos um bem maior. Um PSD mais tolerante, com menos ódios mesquinhos, menos intrigas e teorias da conspiração".

PUB
PUB
PUB

Fê-lo não porque queria um "reconhecimento ou louvor", mas porque entendeu que os militantes, congressistas, delegados e observadores mereciam essa explicação. "O meu propósito é ajudar o PSD, ajudar o líder Rui Rio e ajudar Portugal".

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados