A Lua tem uma nova cratera dupla. E a culpa é de um misterioso foguete

CNN , Ashley Strickland e Katie Hunt
2 jul, 16:00
Lua. (AP Photo/Adel Hana)

A lua tem uma nova cratera dupla após um foguetão ter colidido com a sua superfície no dia 4 de março.

Novas imagens partilhadas pelo Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA, que tem circulado à volta da lua desde 2009, revelaram a localização da cratera invulgar.

O impacto criou duas crateras que se sobrepõem, uma cratera oriental com 18 metros de largura e uma ocidental com 16 metros de largura. Juntas, criam uma depressão com cerca de 28 metros de largura na zona com dimensão mais longa.

Um foguete atingiu a lua a 4 de Março, criando uma cratera dupla, conforme indicado pela seta branca.

 

Embora os astrónomos previssem o impacto após descobrirem que parte do foguete estava num trajeto para colidir com a lua, a dupla cratera surpreendeu-os.

Normalmente, os foguetes usados têm a maior massa na extremidade do motor porque o resto do foguete é, em grande parte, apenas um depósito de combustível vazio. Mas a cratera dupla sugere que este objeto continha grandes massas em ambas as extremidades quando atingiu a lua.

A origem exata do foguete, um pedaço de detrito espacial que viaja pelo espaço há anos, não é exata, pelo que a cratera dupla poderá ajudar os astrónomos a determinar o que era.

A lua carece de uma atmosfera protetora, o que faz com que esteja repleta de crateras que se formam quando objetos batem regularmente na superfície, tal como asteroides.

Segundo os especialistas, esta foi a primeira vez que um pedaço de detrito espacial atingiu involuntariamente a superfície lunar. Porém, existem crateras que resultaram de embates intencionais de naves espaciais.

A nova cratera é mais pequena que outras e não é visível neste plano, mas a sua localização está indicada pela seta branca.

 

Por exemplo, as quatro grandes crateras lunares provocadas pelas missões Apollo 13, 14, 15 e 17 são muito maiores do que cada uma das crateras sobrepostas criadas durante o impacto de 4 de março. No entanto, a largura máxima da nova cratera dupla é semelhante às das crateras das Apollo.

Origem indeterminada

Bill Gray, um investigador independente focado na dinâmica orbital e programador de software astronómico, foi o primeiro a detectar a trajetória do impulsionador do foguete.

Inicialmente, Gray identificou-o como o andar do foguete SpaceX Falcon que inaugurou o US Deep Space Climate Observatory, ou DSCOVR, em 2015, mas mais tarde disse que se tinha enganado e que era provável que fosse de uma missão lunar chinesa de 2014, uma avaliação com a qual a NASA concordou.
Contudo, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China negou que o impulsionador fosse da sua missão lunar Chang'e-5, dizendo que o foguete em questão ardeu ao reentrar na atmosfera da Terra.

Nenhuma agência segue sistematicamente os detritos espaciais que se encontram tão longe da Terra, e a incerteza sobre a origem do palco do foguete sublinhou a necessidade de as agências oficiais controlarem de forma mais rigorosa o lixo espacial, em vez de dependerem dos recursos limitados de particulares e académicos.

Contudo, os especialistas dizem que o maior desafio é o detrito espacial em órbita terrestre inferior, uma área onde podem colidir com satélites em operação, criar ainda mais lixo e ameaçar a vida humana a bordo das naves espaciais tripuladas.

De acordo com um relatório da NASA emitido no ano passado, existem pelo menos 26.000 peças de detrito espacial  do tamanho de uma bola de basebal na órbita da Terra que, por sua vez, poderiam destruir um satélite em caso de impacto; 500.000 do tamanho de um berlinde, suficientemente grandes para causar danos a naves espaciais ou satélites; e mais de 100 milhões de peças do tamanho de um grão de sal, pequenos detritos que, não obstante, poderiam perfurar um fato espacial.

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados