Truss e Macron prometem impulsionar "cooperação energética" entre os seus países

Agência Lusa , NM
20 set, 19:54
Liz Truss e Emmanuel Marcon encontram-se em Nova Iorque na Assembleia-geral das Nações Unidas (Imagem Getty)

Esta foi a primeira reunião entre a primeira-ministra do Reino Unido e o presidente de França, apesar de ambos terem marcado presença nas cerimónias fúnebres da Rainha Isabel II

A primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, e o Presidente de França, Emmanuel Macron, concordaram em promover a "cooperação energética" entre os dois lados do Canal da Mancha, durante um encontro desta terça-feira em Nova Iorque.

O gabinete Truss revelou que os dois líderes tiveram uma reunião à margem da Assembleia-Geral da ONU, em que estabeleceram o objetivo de "reduzir a volatilidade no mercado" da energia face a um "inverno difícil".

Os dois líderes sublinharam "a importância de trabalhar em conjunto para acabar com a dependência da energia russa e reforçar a segurança energética", acrescentou em comunicado um porta-voz de Downing Street.

Depois de terem coincidido nas cerimónias fúnebres da Rainha Isabel II, em Londres, Truss e Macron realizaram esta terça-feira a sua primeira reunião bilateral formal desde que a chefe do governo britânica tomou posse há duas semanas.

O primeiro-ministro expressou neste encontro a sua disponibilidade para "reforçar a colaboração com a França e outras nações europeias" através de vários fóruns internacionais, "incluindo o G7 e a NATO", disse Downing Street.

A primeira-ministra e o Presidente também discutiram os "avanços impressionantes" das forças ucranianas nos últimos dias contra as tropas russas e concordaram na "importância dos amigos e aliados da Ucrânia" manterem o apoio "militar, económico e político" a Kiev.

Truss planeia encontrar-se quarta-feira com o Presidente dos EUA, Joe Biden, depois de ter descartado que Londres tenha perspetivas de assinar um acordo comercial com Washington a curto ou médio prazo, apesar de esse tratado ser um dos principais benefícios que alguns apoiantes do ‘Brexit’ esperavam obter após a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados