Ativistas do Climáximo provocam marcha lenta na avenida Gago Coutinho em Lisboa

Agência Lusa , AM
3 mai, 09:53
Apoiantes do Climáximo bloqueiam o túnel do Marquês

Protesto começou às 09:00 e até às 09:30 não havia presença de autoridades policiais

Ativistas do movimento ambientalista Climáximo estão a ocupar faixas de rodagem num dos sentidos na avenida Gago Coutinho, em Lisboa, desde as 09:00, condicionando o trânsito, exceto na faixa de transportes públicos.

Vinte ativistas seguram três grandes faixas, ocupando a avenida no sentido Aeroporto-Areeiro, próximo do aeroporto de Lisboa.

“Fim ao investimento público em fosseis” e “Os ultra ricos pagam a transição climática” são as palavras de ordem que se leem nas faixas de quase três metros que os manifestantes empunham enquanto condicionam o trânsito.

O protesto começou às 09:00 e até às 09:30 não havia presença de autoridades policiais, constatou a Lusa no local.

PSP acompanha ação que decorre sem incidentes

O Corpo de Intervenção da PSP acompanha desde as 09:30 o protesto dos ativistas do movimento Climáximo que estão a obrigar os carros a uma marcha lenta na avenida Gago Coutinho, em Lisboa.

"Em Portugal existe o direito à manifestação. Fizemos um aviso [dirigido à Câmara Municipal de Lisboa], tal como no fim de semana passado, em que a polícia deteve duas pessoas", disse à Lusa, Alice Gato, 22 anos, porta-voz do protesto que decorre hoje em Lisboa.

Até ao momento o protesto decorre sem incidentes, além do condicionamento da circulação rodoviária.

A via de rodagem destinada aos transportes públicos não está ocupada pelos manifestantes do Climáximo permitindo a passagem dos veículos.

"Nós fazemos estes protestos porque a vida de todos nós está em risco. Os governos e as empresas estão a condenar milhares de pessoas à morte todos os anos. Não podemos banalizar os factos relacionados com a crise climática", justificou Alice Gato reiterando as preocupações do coletivo.

Este é o sexto protesto da organização, em Lisboa, desde o dia 26 de abril.

"Enquanto os governos, empresas e os 'ultra-ricos' têm o direito de condenar milhões de pessoas à morte, as pessoas são impedidas de lutar contra a destruição", lamenta a ativista.

"Estamos no ano mais quente e com mais emissões desde que há registo. Os governos e as empresas sabem que estão a condenar milhares de pessoas à morte e demonstram que não vão parar, como demonstram os planos do governo de construir um novo aeroporto, ou o interesse da Galp em explorar petróleo na Namíbia", insistiu.

Para o Climáximo "tem de ser a sociedade a parar a destruição e implementar o plano de desarmamento e de paz necessários para assegurar a vida de todas as pessoas, pondo a vida em cima do lucro".

De acordo com um panfleto que está a ser distribuído aos automobilistas que passam lentamente ao lado da marcha lenta dos manifestantes, o grupo recorda que "11 apoiantes foram a tribunal por bloquearam o trânsito para que a sociedade resista contra a guerra declarada pelos governos e as empresas contra a sociedade e o planeta".

País

Mais País

Patrocinados