Boavista: «Redução de clubes não está ainda bem pensada»

13 abr 2021, 16:48
Vitor Murta

Vítor Murta reticente quanto à diminuição do quadro competitivo da Liga

Vítor Murta, presidente do Boavista, mostrou-se reticente face à eventual redução da Liga para 16 equipas, em vez das atuais 18, afirmando haver «coisas mais importantes», como distribuir melhor as receitas entre os clubes.

O dirigente comentou o assunto à margem da inauguração do remodelado lar da formação axadrezada, designado Habitat da Pantera, que funciona num edifício de quatro pisos anexo ao topo norte do Estádio do Bessa, no Porto, e tem nove quartos, cozinha, casa de banho e, agora, uma sala de estar e outra de lazer.

«Ainda não recebemos a proposta, mas antes de pensarmos nisso temos de pensar noutras coisas que são mais importantes. Acima de tudo, que haja uma divisão das receitas mais equitativas», precisou o líder dos axadrezados.

A diminuição do quadro competitivo da I Liga, com redução de 18 para 16 equipas a partir da temporada 2022/23, é uma das propostas de alteração que a Liga Portuguesa de Futebol Profissional está a equacionar, segundo anunciou o organismo no dia 7 deste mês.

«Há uma décalage enorme de receitas entre o Boavista e outros clubes com a nossa dimensão», apontou Vítor Murta, referindo também que alguns desses clubes beneficiam de «fontes de receita», que não especificou, e que os axadrezados não têm.

Vítor Murta reforçou o seu pensamento observando que tal proposta «não está ainda bem pensada». «Vejo com grande dificuldade a alteração do quadro competitivo» da I Liga, concluiu.

Vítor Murta afirmou também que o acionista maioritário da SAD boavisteira desde esta temporada, Gerard López, irá continuar «independentemente do que aconteça», para depois acrescentar ter «a certeza de que o Boavista vai estar a competir na I Liga» na próxima época.

O Boavista ocupa atualmente o 15.ª posto da tabela classificativa da Liga, com 25 pontos, ao cabo de 26 jornadas.

O dirigente foi também confrontado com a polémica reação do treinador do Rio Ave, Miguel Cardoso, após o golo que permitiu aos vilacondenses empatar com o Boavista no sábado (3-3), e respondeu que não quer dar importância ao sucedido.

«Ele pediu desculpa, mas tentou enquadrar aquele gesto em algo que ele entende justificável. Obviamente, não é justificável, foi uma falta de respeito ao Boavista e ao futebol em si», considerou.

O lar da formação do Boavista foi inaugurado em 2004 e tem servido para acolher atletas jovens oriundos de outras regiões portuguesas e de outros países, que não têm casa própria.

Relacionados

Mais Lidas

Patrocinados