Peixoto: do olhar à tabela à evolução de Adrián Butzke e Nuno Lima

Ricardo Jorge Castro , Estádio Capital do Móvel,
20 mar 2022, 18:43
César Peixoto no Famalicão-Paços de Ferreira (Manuel Fernando Araújo/Lusa)

Paços de Ferreira-Moreirense, 2-1 (reportagem)

Declarações do treinador do Paços de Ferreira, César Peixoto, na sala de imprensa do Estádio Capital do Móvel, após a vitória por 2-1 ante o Moreirense, em jogo da 27.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, após o qual foi também anunciada a sua continuidade:

«Queríamos ter entrado fortes no jogo, era uma intenção nossa, mas não entrámos tão bem como pretendíamos. Ao longo do tempo fomos crescendo no jogo, fomos dominando e penso que foi uma primeira parte em que dominámos. A equipa do Moreirense, organizada e agressiva nos duelos, muito física, dificultou-nos a circulação de bola, a nossa qualidade, mas sempre que conseguimos, acabámos por criar perigo. Fizemos um golo, outro anulado. Acabámos por criar duas ou três situações na primeira parte para sair a vencer justamente.»

«Na segunda parte, a meu ver, mais uma vez o Moreirense entrou melhor do que nós. Nós entrámos um pouco passivos. Acabam por chegar justamente ao empate, mas depois nós voltámos a reagir, a ir para cima, a tomar conta do jogo. Fizemos mais um golo anulado e isto de fazer golo, anular, fazer golo, anular, acaba por ser, para a equipa que sofre, um plus em energia e para a equipa que vê invalidado, por vezes retira alguma confiança. Mas a equipa continuou a acreditar. Merecidamente acabámos por vencer o jogo. Parabéns aos adeptos. Jogo difícil. Vão ser todos os jogos desta forma. E parabéns aos jogadores. Acreditaram, estavam exaustos. Demonstra que estão bem fisicamente.»

[Mais perto do sexto lugar do que da zona de descida:] «É no jogo a jogo, ainda nada está garantido. Estamos confortáveis, como é óbvio. Tentamos sempre – e foi uma premissa que propus – olhar para cima, porque acreditava na continuidade deles, do nosso trabalho. Estamos mais perto de cima do que de baixo, mas nada temos conquistado. Penso que o melhor é continuar a trabalhar dia a dia, jogo a jogo. Se pudermos, vamos tentar chatear. O objetivo é querer sempre melhor. Queremos ter mais bola, dominar mais tempo. No final fazemos as contas.»

[Nuno Lima, que voltou a jogar dois jogos seguidos com 90 minutos pela primeira vez desde janeiro:] «O Nuno tinha poucos jogos quando chegámos e fomos percebendo as capacidades e qualidade. Durante a semana mostrou que tem crescido. Sempre que jogou, respondeu pela positiva. Foi tendo as oportunidades, esperou pelo momento certo. Continuou sempre a trabalhar, demonstra caráter, personalidade, penso que pode crescer muito ainda e nós acreditamos e temos valorizado, como o Matchoi. Tem muito a crescer, a aprender, gosta de ouvir, perceber e nesse aspeto estamos tranquilos. Perceber, sempre, que está a crescer e vai agarrar as oportunidades. Afora, há muita competitividade no plantel, quase toda a gente já jogou desde início. Dependendo das oportunidades, eu vou dando se merecerem. Se não merecerem, não dou. Nada dou a ninguém, por isso se tem jogado, tem merecido.»

[Adrián Butzke, estreia a titular e primeiro golo:] «O Adrián veio de Espanha, no campeonato espanhol há mais espaço, menos agressividade nos duelos, há mais espaço para jogar. A tomada de decisão, aqui, tem que ser mais rápida. Foi crescendo, entrando aos poucos, percebendo a ideia, chegou o momento de ter oportunidade de início. Penso que fez um bom jogo, acabou por fazer golo, mas sobretudo pela ligação que foi dando entrelinhas: no nosso primeiro golo foi ele que desbloqueou, já antes no golo anulado foi ele. Aproveitou e isto é que é bom para nós. Criou-nos mais uma dificuldade, mas é ótimo para o plantel.»

Relacionados

Patrocinados