Portimonense-Boavista, 0-1 (destaques)

7 ago, 22:52

Yusupha na diferença final

FIGURA: Yusupha

O avançado gambiano fez, ao minuto nove, o golo que decidiu o encontro. Boa exibição no ataque do Boavista, equipa que, apesar de ter atacado e rematado menos do que o Portimonense, fê-lo com qualidade e eficácia. Yusupha teve ainda outras boas ações e só não se materializou, por exemplo, uma assistência para um golo de Gorré, porque este foi desarmado por Paulo Estrela quando armava o possível 0-2 ao minuto 20. Decisivo para os primeiros três pontos de um Boavista que teve muitos jovens no banco, fruto de ainda não ter tido os reforços inscritos a tempo desta primeira ronda.

MOMENTO: um, dois, três… e golo (9m)

O Boavista chega ao golo que decide o encontro de forma relativamente simples, numa jogada que foi de área a área e passou apenas por três jogadores. Bracali pontapeou para o meio-campo contrário, Makouta ganhou a bola nas alturas e, de cabeça, permitiu colocar a bola na rota de Yusupha, que fugiu em velocidade a Henrique Jocú e desviou de Samuel Portugal para o 0-1 no marcador.

OUTROS DESTAQUES:

Bracali: se puder dizer-se que é como o vinho do Porto, não é desadequado. Bracali, de 41 anos, foi importantíssimo na baliza do Boavista, com quase uma mão cheia de intervenções decisivas a manter a vantagem cedo alcançada pela equipa comandada por Petit. Exemplos disso foram as paradas a um forte remate de Welinton e a um cabeceamento de Willyan (27m) e, em cima do minuto 90, uma saída boa, decisiva e corajosa a cabeceamento de Yago.

Welinton Júnior: foi a principal referência do Portimonense no ataque à baliza contrária, mas os vários remates que fez acabaram travados por Bracali.

Makouta: determinante no meio-campo, na ligação de jogo do Boavista e, nos lances individuais, importante a ganhar duelos. Exemplo disso foi a recuperação quase de área a área para ajudar a travar um contra-ataque promissor do Portimonense. Fez a assistência para o golo de Yusupha.

Seck: um dos melhores elementos do Portimonense em campo nesta primeira jornada, a merecer atenção para futuro. O senegalês de 26 anos, ex-Leixões, que passou pela formação do Barcelona e da Lazio e que não conseguiu singrar na Roma, originou vários dos lances mais perigosos para a defensiva do Boavista, com incursões em velocidade pela esquerda e uma grande qualidade de cruzamento para a área.

Relacionados

Patrocinados