Como um sequestrador num banco acabou como herói no Líbano: só queria o seu dinheiro, para pagar a operação do pai

CNN , Tamara Qiblawi
13 ago, 19:53
Sequestrador no Líbano

ANÁLISE. Um sequestrador acabou aplaudido à porta do banco – e pode agora inspirar muitos depositantes que têm o dinheiro congelado

Uma dramática sucessão de acontecimentos desenrolou-se numa rua movimentada em Beirute na quinta-feira, quando um homem armado entrou num banco e manteve empregados e clientes como reféns. Ele não estava a tentar roubar o banco - estava a exigir o seu próprio dinheiro de volta.

O homem armado, nomeado pelas autoridades como sendo Bassam al-Sheikh Hussein, é um dos milhões no Líbano cujas poupanças de vida se dissiparam na devastadora crise económica do país, que começou em outubro de 2019.

Vídeos publicados nas redes sociais mostraram Hussein a caminhar nervosamente à volta do banco em calções de ganga e sandálias, com os seus reféns a tentarem argumentar com ele. "Devolvam-me o meu dinheiro!", gritou Hussein, empunhando uma arma. "Estou a ficar sem tempo". Ele ameaçou incendiar o banco e matar todos os que nele se encontravam.

Os detalhes sobre o homem armado começaram a surgir à medida que o impasse tenso prosseguia no banco. O depósito de Hussein ascendia a 210 mil dólares (205 mil euros), de acordo com fontes das autoridades de segurança. Ele precisava de dinheiro - cerca de 10.000 dólares - para pagar uma operação ao seu pai. Mas não conseguiu obter o dinheiro porque, tal como a grande maioria dos libaneses, a sua conta bancária foi congelada. Ele disse que se renderia à polícia se os fundos fossem libertados para o seu irmão.

À medida que as horas passavam dentro do banco, as pessoas convergiam para a rua, lá fora, para aplaudir Hussein. Cantaram slogans anti-governamentais em seu apoio e até mesmo alguns slogans religiosos. O chefe da Associação de Depositantes Libaneses, Hassan Mughniyeh, denunciou publicamente o governo e a elite bancária pela situação económica de Hussein e culpou-os pelo impasse.

A simpatia por Hussein só aumentou. Uma torrente de publicações nas redes sociais foi elogiando-o e as forças de segurança começaram a especular discretamente sobre a possibilidade de haver incidentes de imitação. No final do dia, ele tinha-se tornado aos olhos de muitos um herói nacional.

"Muitas pessoas no Líbano estão a considerar fazer o que ele fez, para se verem presas enquanto tentam libertar os seus depósitos bancários para as suas famílias", disse uma fonte das forças de segurança à CNN. "É uma questão de saber quando é que esse ponto de desencadeamento acontece".

A fonte das autoridades disse que um grande número de pessoas afundadas em dívidas, combinado com a posse generalizada de armas nas famílias, poderia gerar mais incidentes como o impasse de quinta-feira.

A fonte falou sob a condição de anonimato, devido a normas profissionais no Líbano, a fim de descrever a natureza do pensamento dentro da sua equipa.

O Líbano tem um dos maiores números de armas per capita do mundo, segundo a Small Arms Survey, um grupo que monitoriza a proliferação de armas, havendo mais de 30% de civis no país armados. A situação política instável do país tem assistido a muitos grupos políticos construírem arsenais.

Analistas e ativistas argumentam que a situação se torna mais volátil não só pela crise económica, mas também pela má gestão da mesma por parte do governo. Quando a crise financeira começou, em outubro de 2019, os bancos restringiram severamente o acesso aos depósitos dos clientes. No entanto, estas restrições eram discricionárias, e nunca foram transformadas em lei. Isso significava que os bancos podiam libertar fundos para quem quisessem, e os ativistas acusaram os políticos de explorar a situação para transferir milhares de milhões de dólares para fora do país à medida que os seus cofres secavam. Foram os ricos a roubar aos pobres, disseram eles.

O Banco Mundial concorda, divulgando vários relatórios que serviram como acusações condenatórias contra uma elite política que acusou de causar uma "depressão deliberada".

A moeda do Líbano perdeu mais de 90% do seu valor de outubro de 2019. As suas infraestruturas caíram em desintegração, com cortes de eletricidade de mais de 20 horas, além de escassez de combustível, pão e água. Mais de 80% da população vive abaixo do limiar da pobreza - acima dos 30% de há cerca de três anos. A crise bancária agravou a situação ao negar às pessoas o acesso às suas poupanças.

Horas após o início do impasse, Hussein entregou-se à polícia. Foram-lhe prometidos 30 mil dólares como parte dos termos da sua rendição. Ao sair do banco, acenou para a multidão e para uma nação que assistiu com atenção, arrebatada, a um incidente que sublinhou a profundidade do seu desespero.

Patrocinados