Kim Kardashian vai pagar multa de 1,28 milhões de euros por ter promovido uma criptomoeda no Instagram

3 out, 17:15
Kim Kardashian (em 2018)

Além de ter aceitado o pagamento da multa, a influencer também concordou em não promover criptoativos nos próximos três anos.

A socialite Kim Kardashian aceitou pagar 1,28 milhões de dólares à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), colocando assim um ponto final na polémica em torno da promoção da criptomoeda Ethereum Max, que remonta a junho do ano passado.

De acordo com a SEC, a influencer fez uma publicação na sua conta oficial do Instagram na qual promovia a criptomoeda EthereumMax como um investimento. "Vocês gostam de criptomoedas? Este não é um conselho financeiro, mas estou a partilhar o que os meus amigos me disseram sobre o 'token' Ethereum Max!”, escreveu a socialite na descrição da publicação, seguindo-se as hashtags "#ad", "#emax" e "#disrupthistory", entre outras.

A SEC avançou com uma ação legal contra Kim Kardashian, argumentando que, embora a publicação partilhada tivesse a indicação "#ad" [termo utilizado para indicar que se trata de uma publicação paga], a socialite não comunicou ao regulador que recebeu mais de 250 mil euros  pela publicação, infringido assim as regras federais.

“Este caso é um lembrete de que, quando as celebridades ou influenciadores promovem oportunidades de investimento, incluindo títulos de criptoativos, isso não significa que esses produtos de investimento sejam adequados para todos os investidores. Encorajamos os investidores a considerar os potenciais riscos e oportunidades de um investimento à luz de seus próprios objetivos financeiros", disse o presidente da SEC, Gary Gensler, citado pela CNN Internacional.

Além de ter aceitado o pagamento da multa, a influencer também concordou em não promover criptoativos nos próximos três anos.

Os advogados de Kim Kardashian emitiram entretanto um comunicado no qual garantem que a socialite "está satisfeita por ter resolvido este assunto com a SEC", acrescentando que a influencer "cooperou totalmente" com o regulador dos mercados de capitais dos EUA.

"Ela queria deixar este assunto para trás para evitar uma disputa prolongada. O acordo que ela alcançou com a SEC permita que ela possa seguir em frente com as suas diversas atividades de negócios", pode ler-se no mesmo comunicado, citado pela CNN Internacional.

Mas a polémica em torno desta publicação não termina aqui. Em janeiro deste ano, vários investidores avançaram com um processo contra Kim Kardashian e outras celebridades, acusando-os de fazerem parte de um esquema de criptomoedas, pelo que este será apenas um primeiro passo da socialite para terminar com esta saga.

Economia

Mais Economia

Patrocinados