Kevin Spacey ilibado da acusação de agressão sexual a Anthony Rapp

CNN Portugal , MJC
20 out, 21:33
Kevin Spacey (AP Photo/Alberto Pezzali)

O ator de "Beleza Americana" era acusado de ter feitos avanços indesejados sobre Rapp em 1986, quando este só tinha 14 anos

O ator Kevin Spacey foi ilibado da acusação de agressão sexual ao ator Anthony Rapp, em 1986, quando este tinha 14 anos e eram ambos eram atores relativamente desconhecidos em peças da Broadway. 

O veredicto foi anunciado pelo júri do tribunal federal de Manhattan esta quinta-feira, depois de Rapp, atualmente com 50 anos, e Spacey, de 63, terem testemunhado durante vários dias no julgamento que durou três semanas. 

Nas alegações, o advogado de Rapp, Richard Steigman, instou os jurados a fazer Spacey pagar por tentar fazer um avanço sexual contra Rapp no apartamento de Spacey em Manhattan em 1986, depois de uma festa. Anthony Rapp pedia cerca de 40 milhões de euros de indemnização pelos danos emocionais. Por seu lado, Jennifer Keller, advogada de Spacey, disse aos jurados que Rapp inventou esse encontro.

O júri considerou que as alegações de Rapp não ficaram provadas.

Um julgamento com muitas lágrimas

A estrela de "Star Trek: Discovery", Anthony Rapp, alegou que Spacey o agarrou num encontro em Nova Iorque em 1986, quando Rapp tinha 14 anos e Spacey tinha 26. Rapp, mais conhecido pelo seu papel no musical "Rent", testemunhou que o suposto encontro foi “o evento mais traumático” de sua vida.

Em tribunal, Spacey negou categoricamente as alegações de Rapp, dizendo sob juramento que “não são verdadeiras”. Os seus advogados argumentaram que Rapp “criou uma história” em grande parte porque estava com ciúmes do sucesso de Spacey na indústria do entretenimento.

Ambos prestaram depoimentos emocionados no banco das testemunhas durante o julgamento civil no tribunal federal no centro de Manhattan. Rapp estava à beira das lágrimas ao relembrar os detalhes do suposto encontro que ele descreveu como “incrivelmente assustador e muito alarmante”.

Rapp afirma que Kevin Spacey o convidou para o seu apartamento em Manhattan, onde o abraçou enquanto viam televisão, pousou-o numa cama e se esfregou nele. “Eu não pedi para ele fazer aquilo”, disse aos jurados, referindo-se ao suposto avanço sexual de Spacey. “Eu não queria que ele fizesse aquilo.”

Spacey, por sua vez, chorou repetidamente durante o seu depoimento. Com a voz trémula, contou aos jurados a sua educação “humilhante e aterrorizadora” como filho de um homem que ele descreveu como “supremacista branco e neonazi”. “Nunca falei sobre estas coisas publicamente, nunca”, garantiu.

"Não me lembro de ter estado com ele numa festa particular ou de ter estado com ele num apartamento", disse na segunda-feira Spacey, em resposta a perguntas do advogado de defesa.

A denúncia remonta a 2017

Rapp, que afirmou ter partilhado esta experiência com amigos ao longo dos anos, detalhou publicamente as suas alegações pela primeira vez num artigo publicado pelo BuzzFeed News em 29 de outubro de 2017. Explicou ainda que se sentiu inspirado a divulgar suas reivindicações nos primeiros dias do movimento #MeToo em 2017. 

Num comunicado no Twitter no dia seguinte, Spacey disse que não se lembrava do suposto incidente, mas pediu desculpas a Rapp por “o que teria sido um comportamento bêbado profundamente inadequado”. E acabou por assumir a sua homossexualidade.

Mas no seu depoimento, Spacey explicou que se sentiu "chocado, assustado e confuso" após as acusações que Anthony Rapp divulgou em 2017 e que emitiu um pedido público de desculpas por recomendação dos seus agentes, algo de que se arrepende. Considera que não deveria ter pedido desculpas por algo que insiste que não fez, e lamentou ter usado a declaração como uma oportunidade para assumir publicamente a sua homossexualidade. “Eu nunca teria feito nada para ferir a comunidade gay”, disse, arrependido ter misturado na sua declaração a sua orientação sexual com as alegações: "Foi errado, e sinto muito por tudo".

As acusações de Rapp desencadearam outras queixas contra Spacey, que enfrenta também cinco acusações que o levarão a tribunal no Reino Unido. Estas alegações interromperam abruptamente o que até aí era uma carreira em ascensão para o ator duas vezes vencedor do Oscar, que perdeu o emprego na série da Netflix “House of Cards” e viu outras oportunidades desaparecerem.

Relacionados

Artes

Mais Artes

Patrocinados