Blatter e Platini absolvidos de acusações de corrupção

8 jul, 09:48
Michel Platini e Joseph Blatter em 2008

Tribunal de Bellizona não deu como provados os crimes relacionados com o pagamento de 1,8 milhões de euros do antigo presidente da FIFA ao então presidente da UEFA

O ex-presidente da FIFA Joseph Blatter e o ex-presidente da UEFA Michel Platini foram esta sexta-feira absolvidos das acusações de corrupção e fraude por um tribunal suíço.

Blatter, que liderou a FIFA por 17 anos, era acusado de ter combinado o pagamento ilícito de dois milhões de francos suíços (1,8 milhões de euros) por parte da FIFA a Platini, então presidente da UEFA.

Em sua defesa, Blatter, de 86 anos, argumentou que o pagamento decorreu de um «acordo de cavalheiros» entre os dois quando pediu a Platini para ser seu consultor técnico em 1998.

Este acordo escrito previa a entrega de 300 mil francos suíços (287.000 euros) a Platini, mas os antigos dirigentes alegam que concordaram em mais 700 mil (669.000 euros) quando as finanças da FIFA o permitissem.

Platini, que viria a ser eleito presidente da UEFA em 2007, apresentou uma fatura no início de 2011, assinada por Blatter, no valor de 1,8 milhões de euros.

A tese da acusação era de que este pagamento seria para Platini influenciar votantes nas eleições para a presidência da FIFA, em 2011, que colocaram Blatter frente a frente contra Mohamed bin Hammam, do Catar.

Estas acusações não foram dadas como provadas pelo Tribunal Criminal Federal de Bellinzona, na Suíça, pelo que ambos foram declarados inocentes.

De referir que este caso já foi julgado nas instâncias desportivas e Blatter ficou suspenso por seis anos de qualquer atividade ligada ao futebol, por «abuso de posição», «conflito de interesses» e «má gestão», enquanto Platini recebeu uma punição de quatro anos.

Patrocinados