Johnny Depp, Amber Heard, e todos nós

CNN , Brian Stelter
26 mai, 10:00
Julgamento Johnny Depp vs Amber Heard (EPA)

Julgamento ocupa milhares de páginas nos média e milhões de publicações dos exércitos online. Será atenção a mais? Ou manipulação a mais? Afinal, o caso é apenas “sobre doze palavras”. Eis como os média estão a lidar com o caso.

"É como o julgamento O.J. Simpson, mas com tecnologia".

Foi isto que Autumn Witbeck, uma mãe doméstica do Utah, nos EUA, disse ao Wall Street Journal, enquanto explicava o fascínio do público pelo julgamento de Johnny Depp-Amber Heard. O Journal escreveu uma história inteira sobre os penteados usados na sala de audiências - o que ajuda a provar o nosso ponto de vista.

Alguns espectadores têm achado o julgamento fascinante, enquanto outros acham-no revoltante. Exércitos digitais de fãs mobilizaram-se ao lado da Depp enquanto comentadores levantaram preocupações sobre os desequilíbrios assim expostos.

Em causa neste julgamento está a alegação da Depp de que Heard, a sua ex-mulher, o difamou numa coluna de opinião no Washington Post. Headr contra-processou Depp. Mas o espectáculo à volta do caso tornou-se muito mais do que isso.

Esta segunda-feira começou a sexta e última semana do julgamento. Aqui estão vários dos ângulos da comunicação social…

Um caso simples, mas:

Saboreei cada palavra desta coluna da colunista do Los Angeles Times Mary McNamara: "É o dia 857 do julgamento por difamação do Johnny Depp/Amber Heard e tudo o que posso dizer é que espero que as próximas audiências do comité da Câmara [no Congresso] sobre o ataque de 6 de Janeiro ao Capitólio dos EUA recebam tanta atenção do público e da imprensa".

A propósito, as audiências em junho do 1/6 [ataques de 6 de janeiro ao Capitólio] irão receber mais atenção da imprensa. Mas mais atenção dos influenciadores e dos algoritmos online e dos utilizadores comuns? Talvez não.

Como escreveu McNamara, as reacções ao caso Depp e Heard "revelaram um preconceito ainda alarmante contra as mulheres. O que o júri fará dela - desculpem, criadores de hashtags, não são vocês que decidem o caso - ainda está para ser visto. Pondo de lado o melodrama (embora o melodrama pareça ser o objectivo principal), é um caso bastante simples".

Jessica Winter apresentou um ponto de vista semelhante neste novo comentário para The New Yorker: o julgamento "é o poço de lama de uma relação estranhamente tóxica", mas "grande parte da conversa online sobre o julgamento é ruído e não sinal; obscurece o quão simples é a questão central, e como essa simplicidade torna o caso ainda mais bizarro e trágico".

A totalidade do julgamento assenta realmente "em doze palavras" do texto que Heard publicou no Post em 2018, escreveu Winter, apesar de se ter transformado numa "forma de pornografia de orçamento elevado e de vingança".

"Fake News de Johnny Depp"

A campanha de ataque online contra Heard é uma parte importante da história, mas como acontece com tantas destas campanhas, ela é diabolicamente difícil de rastrear. "Uma campanha de anos de desinformação e ataques online semeou o campo de jogo" para o julgamento, escreveu Matt Belloni num novo artigo da Puck, intitulado "Johnny Depp's Fake News". Os bots no Twitter conduziram pelo menos uma parte dos sentimentos anti-Heard nos últimos anos.

"Para os advogados que operam neste mundo", escreveu Belloni, "é isso que é tão assustador: em John C. Depp vs. Amber Laura Heard, as artes negras da manipulação dos meios de comunicação social para ganhos políticos chegaram às disputas de Hollywood, e não há volta atrás. Estes casos são agora sobre a luta por detrás da luta, tanto quanto sobre a luta à vista do público, e todos se maravilham com a eficácia da Equipa Depp. Isso significa que quando a próxima situação surgir, a primeira pergunta a partir da boca de um cliente será: Onde está a minha estratégia Johnny Depp? E se um advogado quiser manter o cliente, é melhor que ele ou ela tenha uma resposta".

Leituras e escutas recomendadas

- "Especialistas dizem que o julgamento sublinha problemas estruturais -- na reportagem dos média, no poder das plataformas das redes sociais, na forma como a desigualdade de género é abordada, na forma como o sistema de justiça pode tornar-se uma arma, na forma como todos nós nos tornamos cúmplices na retraumatização de pessoas que sofreram danos profundos", relatou Alia E. Dastagir no USA Today.

- "As consequências do julgamento por difamação parecem ter-se perdido no circo mediático que o rodeia", mas "pode ter um impacto muito arrepiante nos sobreviventes da violência doméstica", escreveu Alanna Vagianos para o HuffPost.

 - "Talvez uma lição deste espectáculo não seja sobre crença - mas sobre decência", comentou Jessica Bennett.

- Anna Merlan, da Vice, documentou como "as grandes empresas de comunicação social, TikTokers do verdadeiro crime e, agora, YouTubers pouco conhecidos" convergiram para o julgamento "para fazer crescer os seus públicos da forma que puderem".

- Kaitlyn Tiffany escreveu para o The Atlantic sobre "o estilo paranóico nos clubes de fãs online".

- Dito de forma simples, "a internet não foi construída para isto", o tweetou Kat Tenbarge, da NBC, citando a máfia online que replicou críticas negativas para ferir testemunhas especialistas no caso.

- "O #MeToo está acabado se não ouvirmos 'vítimas imperfeitas' como Amber Heard", escreveu Martha Gill para o The Guardian.

- "Depp v. Heard não é um referendo qualquer sobre o #MeToo, nem irá atrasar as causas de ninguém desencadeando novamente alguma ameaça arrepiante para silenciar as mulheres por falarem", escreveu Natalie Shure para The New Republic. "Este julgamento é apenas um referendo sobre a reputação de dois atores ricos e famosos que se trataram um ao outro de uma forma muito dramática, da forma mais dramática possível. Depp v. Heard é sobre Johnny Depp e Amber Heard, nada mais".

- Como Moises Mendez II disse no podcast "ICYMI", da Slate, "estamos todos só a acompanhar a viagem até que alguma outra coisa apareça e tome conta da nossa consciência coletiva".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados