Este veredicto é muito maior do que Depp ou Heard (Opinião)

CNN , Kara Alaimo
2 jun, 07:20
Amber Heard (Evelyn Hockstein/Pool via AP)

O resultado deste julgamento é a epítome do quanto a nossa sociedade regrediu desde o auge do #MeToo.

Kara Alaimo, professora associada na Escola de Comunicação Lawrence Herbert da Universidade de Hofstra, escreve sobre questões que afetam as mulheres e os meios de comunicação social. Foi porta-voz para assuntos internacionais no Departamento do Tesouro durante a administração Obama. Acompanhe-a no Twitter @karaalaimo. As opiniões expressas neste comentário são as suas próprias.

 

Na quarta-feira, um júri considerou que Amber Heard e o ex-marido Johnny Depp foram culpados de se terem mutuamente difamado. Depp tinha processado Heard por 50 milhões de dólares por difamação, depois de ela ter escrito um artigo de opinião no Washington Post de 2018 descrevendo-se a si própria como "uma figura pública que representa abusos domésticos". Heard apresentou um contra-processo de 100 milhões de dólares, alegando que uma declaração do advogado da Depp de que as suas alegações eram um "embuste" constituía difamação.

Mas o júri premiou os maiores danos a Depp, concedendo-lhe 10 milhões de dólares em indemnizações compensatórias e 5 milhões de dólares em indemnizações punitivas, enquanto Heard foi premiada com apenas 2 milhões de dólares em indemnizações compensatórias e sem indemnizações punitivas.

O resultado deste julgamento afeta muito mais do que Depp e Heard, porque é a epítome do quanto a nossa sociedade [norte-americana] regrediu desde o auge do movimento #MeToo.

Em 2017, o The New York Times revelou alegações de que o produtor de Hollywood Harvey Weinstein tinha abusado de mulheres durante décadas. Veio de repente a notícia de abril de 2017 de que a Fox News tinha pago milhões às mulheres que tinham feito queixas contra o antigo apresentador Bill O'Reilly.

Durante algum tempo, as comportas pareciam abrir-se: uma lista compilada pela Vox encontrou 262 pessoas de perfil alto que foram acusadas de má conduta sexual desde abril de 2017, incluindo presidentes executivos, celebridades e políticos. Isto parecia assinalar uma nova era em que as vítimas de abuso sexual tinham mais apoio social para finalmente responsabilizar os seus perpetradores. Alguns, como Weinstein, foram para a prisão, enquanto outros, como o célebre chef Mario Batali, foram absolvidos, e o apresentador do Today Show Matt Lauer perdeu o seu emprego.

Mas as feministas sabem que de cada vez que as mulheres fazem progressos, isso provoca ricochetes. "De cada vez que comecei a investigar uma expressão ou uma prática feminista popular, havia sempre uma réplica ou desafio hostil", escreve a professora de comunicação da Universidade do Sul da Califórnia Sarah Banet-Weiser, em "Empoderadas: Feminismo Popular e Misoginia Popular".

Foi exatamente isso que vimos neste julgamento. O facto de Depp ter processado Heard por difamação mostra a ameaça que outras mulheres terão agora de considerar ao ponderar se devem denunciar abusos: a possibilidade de poderem ser acusadas de difamação.

Depp processou Heard apesar do facto de um juiz na Grã-Bretanha já ter apurado num julgamento de 2020 que Depp tinha repetidamente agredido Heard e a tinha deixado "com medo pela sua vida". Textos apresentados em tribunal por Depp ao seu amigo ator Paul Bettany, nos quais o Depp escreveu "vamos afogá-la antes de a queimarmos", e debateu ter relações sexuais com o corpo de Heard depois de a matar, o que constitui, sem dúvida, mais uma prova de abuso, tal como o testemunho do conselheiro matrimonial do casal de que Depp e Heard se abusaram um do outro.

Depp, por seu lado, alegou que as alegações de Heard de abuso físico e sexual eram falsas, testemunhando: "Nunca na minha vida cometi agressão sexual, abuso físico".

O facto de Depp ter processado Heard por difamação apesar das provas introduzidas em tribunal e da decisão de um juiz anterior no Reino Unido, é um lembrete forte da ameaça muito real com que as mulheres têm de confrontar-se se acusarem homens poderosos de abuso.

Este julgamento também nos lembrou de outro fator que as vítimas terão de considerar quando se apresentarem: a possibilidade de as pessoas se unirem para apoiar o alegado perpetrador e fazer ameaças adicionais contra os acusadores. Este caso galvanizou pessoas online para apoiarem Depp e continuarem a abusar de Heard.

O apoio online expresso a Depp foi de ordem de magnitude superior à que foi expressa para Heard. Desde a semana passada, #IStandWithAmberHeard tinha recebido cerca de 8,2 milhões visualizações n TikTok. Em comparação, #JusticeForJohnnyDepp tinha acumulado 15 mil milhões.

Mas as pessoas nas redes sociais não se limitaram a apoiar Depp. Também ameaçaram ativamente Heard. "As pessoas querem matar-me e dizem-me isso todos os dias", testemunhou Heard. "As pessoas querem pôr o meu bebé no micro-ondas e dizem-me isso".

Além disso, Heard teve de enfrentar os antigos desafios de não ser credibilizada e de ter a sua própria vida e comportamento dissecados como parte deste julgamento, o que demonstrou que ela não é uma santa. (Relembrar o testemunho da conselheira matrimonial de que Heard também abusou da Depp. Depp também testemunhou que Heard o tinha atropelado. Enquanto Heard afirmou que ela só o fez em defesa, num clip de áudio introduzido nas provas, ela disse: "Eu comecei uma luta física").

Este elemento de potencial abuso mútuo fez do julgamento um afastamento de muitos outros casos públicos envolvendo alegações unidireccionais de má conduta - mas foi também um forte lembrete às mulheres de que o movimento #MeToo não ensinou o mundo a levar a sério as reivindicações das mulheres e a apoiar as vítimas, mesmo que estas sejam imperfeitas.

Este processo judicial teve início quando Heard ouviu que ela era uma figura pública que representava abuso doméstico. Agora, ela tornou-se uma figura pública que representa o abuso social contra as mulheres que ousam falar - e quão longe estamos desse vislumbre de esperança de há apenas alguns anos de que o movimento #MeToo poderia facilitar às vítimas de abuso a responsabilização dos seus agressores.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados