opinião
Diretor executivo CNN Portugal

Jesus, o pior investimento de sempre do Benfica (e o melhor dos seus presidentes)

28 dez 2021, 12:20

Vieira contratou Jesus para mudar de assunto depois de um fracasso. Rui Costa despede-o para mudar de assunto depois de um fracasso. Jesus serviu para tudo menos para ganhar jogos. Só dinheiro

PUB

O cheque em branco do Benfica em 2020 acabou num xeque ao banco em 2021. O treinador sai forrado, Rui Costa desforrado e o Benfica segue saltando de nenúfar em nenúfar sobre um pântano de maus resultados. Jesus soube gastar dinheiro, soube ganhar dinheiro, só não soube ganhar troféus. Como o próprio disse uma vez, “ganharam bola”.  Zero.

“Zero titoli”, diria hoje de novo José Mourinho. 18 meses e mais de cem milhões de euros depois, nem houve “Benfica europeu” nem há Benfica nacional, nem taças nem campeonatos, e grandes vitórias só se foram camisolas contra coletes nos treinos no Seixal.

PUB

Provavelmente, a contratação de Jesus foi o pior investimento de sempre do Benfica. Foi contratado a ganhar mais dinheiro do que qualquer jogador em Portugal e teve os famosos “cem milhões” para construir a equipa que quis. Mais do que dependurá-lo hoje pelo fracasso depois de voltar ao sítio onde foi feliz, é preciso questionar a megalomania e a arrogância do Benfica, cujo então presidente sai agora coberto de ridículo de cada vez que se ouvem as suas promessas de “hegemonia”.

PUB
PUB
PUB

Um treinador treina, um presidente gere – e não é possível olhar para o investimento no projecto de Jesus sem concluir pelo rotundo fracasso. Alguns números que comparam 2020/2021 (depois de Jesus) com 2019/2020 (antes de Jesus). A folha salarial subiu de Benfica subiu de 85 para 97 milhões de euros (14%) mas as receitas caíram de 140 para 94 milhões (33%). A pandemia só explica parte deste desaire: da queda de 56 milhões nas receitas, as perdas em bilheteira “só” representam 17 milhões. Onde o Benfica falhou foi nas receitas de competições internacionais. E nas vendas de jogadores: com o investimento realizado, o valor líquido do plantel aumentou de 103 para 146 milhões (41%) mas os ganhos líquidos com transações de jogadores caíram de 126 para 88 milhões (quase 30%). O investimento fez o passivo subir de 325 para 380 milhões (17%), reduzindo o (ainda sólido) capital próprio de 161 para 144 milhões (11%), depois de os lucros de 42 milhões de 2020 se terem transformado em prejuízos de 17,5 milhões em 2021.

PUB
PUB
PUB

Insisto: a covid-19 não explica tudo. Não só o investimento em Jorge Jesus é realizado em plena pandemia, no verão de 2020, assumindo pois esse risco, como tanto os resultados desportivos como os financeiros demonstram o fracasso de quem investiu. Mas porquê?

Porque Luís Filipe Vieira quis mudar de assunto. Tinha acabado de perder mais um campeonato, tinha eleições pela frente e obnubilou as mentes dos benfiquistas com o futuro para fazer esquecer o passado. Gastou o que foi preciso para isso, ganhou as eleições e prometeu o céu. Zero. Hoje fora do Benfica e dentro de um processo judicial, Vieira sai como o presidente que estourou dinheiro num desapontamento. E Rui Costa?

Rui Costa também usa Jorge Jesus para se safar. As manobras de comunicação dos últimos dias serviram para isso, para deixar o novo presidente do Benfica ileso. É por isso que Jesus é um seguro de vida dos presidentes, do que foi e do que está. Um seguro com apólice cara.

Jorge Jesus vai agora à sua vida, bem na vida e provavelmente de bem com a vida. Já o Benfica fica com um problema: a meio de mais uma época em perda e concluindo que o dinheiro não resolve tudo e pode mesmo não conseguir nada. O novo presidente tem a sua primeira prova agora, o bode Luís Filipe Vieira já não será expiatório para o que se segue.

PUB
PUB
PUB

É melhor Rui Costa pensar bem no que vai fazer, ou acabará também num lugar difícil: onde Jesus perdeu as botas

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados