Jorge Jesus: um (aliciante) passo para trás

1 jun, 15:24
Jorge Jesus (Fenerbahçe)

«DRIBLE DA VACA» - Opinião

Nem todo passo para trás é negativo. Muitas vezes recuar é o único - e necessário - caminho existente naquele momento. É melhor do que ficar parado achando que continua a ter impulso suficiente para dar um salto acrobático.

Depois de tropeçar no regresso a Portugal, Jorge Jesus ficou estagnado nas próprias fantasias e devaneios. Sonhar não custa nada, mas é preciso manter sempre os pés no chão e, não menos importante, deixar a soberba de lado.

Ir do Benfica para o Fenerbahçe, tendo ainda pelo meio do percurso as portas fechadas no Flamengo, é um retrocesso na vitoriosa e histórica carreira do treinador português. Basta compararmos a dimensão, a visibilidade e o poder de investimento de cada clube.

Apesar dos pesares, assumir o vice-colocado da última edição da liga turca, que já não ganha há oito temporadas, é desafiador e aliciante, especialmente porque, no atual cenário, não havia um movimento mais significativo para dar.

O futebol na Turquia é apaixonante e potencialmente revigorante. Não há torcedores mais fanáticos do que os turcos - para o bem e  para o mal. Um salário de aproximadamente 7 milhões de euros também não surge todos os dias.

O Fenerbahçe precisa de Jorge Jesus. Mas Jorge Jesus precisa muito mais do Fenerbahçe.

* Bruno Andrade escreve a sua opinião em Português do Brasil.

Opinião

Mais Opinião

Patrocinados