Fezes na cama, o áudio comprometedor: o que Johnny Depp revelou no julgamento que venceu

1 jun, 21:18
Johnny Depp (Getty Images)

Chegou ao fim o processo judicial mais mediático dos últimos tempos nos Estados Unidos. Foram sete semanas cheias de depoimentos e acusações mútuas. Amber Heard foi condenada a pagar 15 milhões de dólares por difamação

SAIBA MAIS
Johnny Depp vence processo contra Amber Heard - e tem direito a 15 milhões de dólares. Mas a atriz vai receber dois milhões por também ter sido difamada
A "busca" nas partes íntimas, a violação com uma garrafa: o que Amber Heard revelou no julgamento que perdeu

 

Johnny Depp foi o primeiro a ser ouvido neste processo, que começou a 11 de abril. O ator rejeitou as acusações da ex-mulher e reiterou que ele sim, tinha sido vítima de violência doméstica.

Limpar o nome

Johnny Depp começou por dizer que moveu o processo de difamação contra Heard para limpar o nome, rejeitando qualquer acusação de agressão. "Nada daquele género aconteceu alguma vez. Nunca cheguei ao ponto de bater na Sra. Heard de forma alguma. Nem nunca bati em nenhuma mulher na minha vida", garantiu. Disse que as alegações contra ele de violência doméstica eram "perturbadoras e hediondas" e “não baseadas em nenhuma espécie de verdade”. O ator afirmou ainda que por causa disso a sua carreira ficou "acabada". "Não interessa o resultado deste julgamento, no segundo em que essas acusações foram feitas contra mim, e se espalharam, eu perdi. Perdi, e vou carregar isso para sempre", sublinhou

Os abusos mútuos

A defesa apresentou um vídeo do terapeuta do casal que testemunhou que os dois atores sofreram, ambos, de abusos durante a infância e que iniciaram comportamentos de "abusos mútuos" durante a relação. "Era um ponto de orgulho para ela quando se sentia desrespeitada iniciar uma luta. Ela batia-lhe porque ele estava a ser incoerente e estava a falar sobre estar com outra mulher”, testemunhou, em vídeo, Laurel Anderson.

A discussão e agressão na Austrália

O ator recordou o dia em que a ex-mulher ficou chateada por ele estar a beber durante as filmagens de um dos filmes de Piratas das Caraíbas, na Austrália, e lhe atirou uma garrafa de vodka, que lhe arrancou parte de um dedo da mão direita. "O sangue jorrava. Acho que entrei em algum tipo de... não sei como é um colapso nervoso, mas provavelmente é o mais próximo que já estive. Nada fazia sentido", afirmou o ator, acrescentando que se escondeu na casa de banho antes de ser levado para o hospital, onde mentiu sobre o que tinha acontecido. "Menti porque não queria contar que a senhora Heard me tinha atirado com uma garrafa de vodka e arrancado o dedo. Não a queria colocar em problemas".

O ator afirmou ainda que a ex-mulher "tem uma necessidade de violência que vem do nada" e que os conflitos muitas vezes começavam por discussões verbais e escalavam para atos de violência física. "A única coisa que aprendi a fazer foi precisamente aquilo que fazia quando era criança - retraía-me”, afirmou, lembrando a violência que sofria por parte da mãe. Garantindo que nunca respondeu de forma violenta, Depp afirmou ainda que decidiu manter o casamento porque não queria desistir dele, tal como o pai se tinha mantido com a mãe apesar dos episódios de violência doméstica.

Fezes humanas na cama

Depp recordou em tribunal o dia em que comunicou à ex-mulher que iria pedir o divórcio, pouco depois da mãe, Betty Sue Palmer, ter morrido. "Decidi ligar à Amber e dizer-lhe que a minha mãe tinha morrido naquele dia. Disse-lhe: 'Olha, tomei uma decisão e acho que é o melhor. Vou pedir o divórcio'", contou o ator, acrescentando que terá dito à ex-mulher que não iria alegar diferenças irreconciliáveis ou qualquer relação abusiva.

Quando soube que Amber Heard ia para o Coachella com uns amigos, Depp decidiu ir até à casa do casal para recolher os seus pertences sem que a mulher estivesse presente. No entanto, à chegada, o segurança Sean Bett sugeriu que talvez não fosse o melhor dia para o fazer.

“Eu tinha falado com o senhor Bett e disse-lhe: ‘Ela está no Coachella, acho que é uma boa altura para ir retirar algumas das minhas coisas’, especialmente pertences que eram preciosos para mim. E ele disse ‘acho que não é uma boa altura’. E eu pensei: ‘É o timing perfeito. Ela não vai estar em casa durante dois dias’. Mas depois ele mostrou-me uma fotografia. Era uma imagem da nossa cama, e no meu lado da cama estavam fezes humanas. Foi tão bizarro e grotesco que só me consegui rir", afirmou, acrescentando que a ex-mulher tentou culpar os cães, "os pequenos Yorkies de quatro quilos", de terem feito aquilo.

O áudio comprometedor

Jessica Meyers, advogada de Depp, apresentou uma gravação de 2016 de uma conversa entre o ex-casal, na qual Heard manifesta preocupação em recuperar a sua reputação, após relatos na imprensa sobre abusos no relacionamento de ambos. No áudio, é possível ouvir-se Depp a propor uma "solução pacífica": uma carta conjunta em que o casal diz que se amava e que foi criada uma tempestade em volta deles pela imprensa. No entanto, a atriz resiste à ideia e desafia o ex-marido a ir a público com a sua afirmação de que tinha sido ele a sofrer abusos. “Diz ao mundo, Johnny. Diz-lhes que eu, Johnny Depp - um homem -, sou uma vítima também de violência doméstica.” Questionado pela advogada sobre o que responderia se fosse questionado se era vítima de violência doméstica, Depp respondeu: "Sim, sou".

Mensagens e confissões aos amigos

O ator foi confrontado com mensagens que trocava com os amigos sobre a relação com a atriz em que afirmava que era um "monstro" e que queria afogar e queimar a ex-mulher. Entre as mensagens trocadas, estavam várias enviadas pelo ator a Paul Bettany, onde confessava transformar-se depois de ter "bebido demais". Depp afirmou não estar "orgulhoso de nenhum dos termos que usava nos momentos de raiva”, mas acabou por dizer que as mensagens eram uma referência "direta" a um episódio de Monty Python (série de comédia britânica) e que se tratava apenas de "humor irreverente e abstrato".

O vídeo em que surge a pontapear armários

Foi ainda mostrado um vídeo, filmado por Heard, que mostra Johnny Depp a pontapear e a socar os armários da cozinha da casa, em West Hollywood, e quando confrontado pela ex-mulher, o ator enche um grande copo de vinho e percebe que está a ser filmado, começando a correr atrás da então companheira. Comentando o vídeo, Depp afirmou que estava a "ter um mau momento". “Claramente, estava a ter um mau momento. Não me lembro porquê, mas ser gravado ilegalmente pelo seu cônjuge combina perfeitamente com o resto das fotos e gravações. Ela tentou esconder isso de mim, riu-se e sorriu no final. Essa foi a parte mais interessante", afirmou.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Artes

Mais Artes

Patrocinados