"Devia ver como estava debaixo da maquilhagem". Amber Heard responde à advogada de Johnny Depp sobre marcas das alegadas agressões

17 mai, 11:56

Atriz terminou o seu testemunho e foi interrogada pela defesa de Johnny Depp. Heard afirmou que ainda não doou o dinheiro do acordo do divórcio porque o ex-marido a processou. E admitiu que, a certa altura, a violência se tornou quase como algo normal no casamento, mas justificou os próprios atos como mecanismos de defesa

Johnny Depp e Amber Heard voltaram a tribunal esta segunda-feira, depois de uma semana de pausa no julgamento, com a atriz a voltar a testemunhar no caso de difamação, que a coloca frente a frente com o ex-marido.

No regresso ao banco das testemunhas, nesta que é a quinta semana de julgamento, Heard terminou o seu depoimento, em que relatou os últimos meses de casamento com Depp. 

Segundo a Associated Press, Amber Heard viu serem apresentadas fotografias das marcas de agressão e da cara inchada, que resultaram da última discussão do casal, e revelou que nunca foi vista em público com as marcas dada a sua experiência em disfarçar hematomas com maquilhagem.

“Não vou andar por Los Angeles com hematomas no rosto”, disse ela.

Terminado o testemunho, teve início o interrogatório por parte da defesa de Johnny Depp, com a advogada Camille Vasquez a questionar Heard sobre as múltiplas fotos tiradas nos dias seguintes à alegada agressão, em que a atriz surgia sem aparentes marcas.

"Devia ver como estava debaixo da maquilhagem", afirmou, acrescentando que usava gelo para reduzir o inchaço.

O que aconteceu à doação do dinheiro do acordo de divórcio?

Advogada Camilla Vasquez (EPA/Steve Helber)

A advogada de Depp abordou ainda as afirmações da atriz de que tinha doado o dinheiro que recebeu no acordo de divórcio, acusando-a de fazer declarações falsas

“Até hoje, não pagou 3,5 milhões do seu dinheiro à ACLU... até hoje, não pagou 3,5 milhões do seu dinheiro ao Hospital Infantil de Los Angeles", afirmou Camille Vasquez.

Amber Heard concordou que prometeu "a totalidade" do valor às instituições, mas que não tinha sido capaz de cumprir a promessa por “estar a ser processada” pelo ex-marido. Vasquez lembrou, no entanto, que o valor do acordo foi pago quase seis meses antes do processo ter sido iniciado.

A atriz falou ainda sobre o artigo que deu origem ao processo e garantiu que o texto, cujo primeiro rascunho foi escrito pela American Civil Liberties Union, nunca teve como objetivo referir o ex-marido, mas sim ser uma voz ativa na violência doméstica.

"Não é sobre o Johnny. A única pessoa que pensou que era sobre o Johnny foi o Johnny. Era sobre mim e sobre a minha vida depois do Johnny. Quero avançar com a minha vida. Quero que o Johhny avance. Quero que ele me deixe em paz", afirmou a atriz, dizendo que recebe, diariamente, várias mensagens de fãs do ator a dizer que ela está a mentir sobre as agressões.

A falta de fotos das agressões

Outro dos temas abordados pela advogada de Johnny Depp foram as agressões entre o ex-casal. Camille Vasquez recuperou o testemunho da atriz, em que esta alega que o ex-marido a violou com uma garrafa e chegou a sangrar das partes íntimas. 

“Testemunhou que foi violada com uma garrafa”, lembrou Vasquez, questionando depois Amber se tinha procurado cuidados médicos ou fotografado as provas da agressão. Amber respondeu que não porque "não queria dizer a ninguém". Perante o tribunal, a atriz disse mesmo que a violência se tornou quase como algo normal no casamento, mas justificou os próprios atos como mecanismos de defesa, e chegou mesmo a afirmar que o ex-marido a diminuiu como mulher.

"Às vezes, para me provocar, agarrava-me pela zona púbica. Agarrava-me por essa zona e puxava-me para ele. Ele perguntava-me: “És uma durona do caraças. Olha para ti agora, durona. Queres-te armar em homem? Julgas que és dura como um homem?", contou.

Amber Heard falou ainda das constantes alucinações de Johnny Depp e revelou que o ator se automutilava e apagava cigarros no próprio corpo.

"Ele falava com pessoas que não estavam na sala. Era assustador. Não ficou claro para mim se ele estava chateado comigo ou se estava convencido de que a pessoa com quem ele disse que me viu estava na sala", afirmou.

Amber Heard e Johnny Depp em tribunal (EPA/Steve Helber)

Camille Vasquez questionou ainda se Heard tinha reparado que Johnny Depp não tinha olhado para ela durante todo o julgamento. A atriz admitiu que sim, e que já tinha olhado para o ex-marido.

"Ele prometeu-lhe que nunca mais veria os olhos dele, não é verdade?", afirmou então a advogada de Depp.

Heard confirmou que não se lembrava se tinham sido essas as exatas palavras, mas que sim. Camilla Vasquez recordou a atriz do último encontro do ex-casal, em São Francisco, em 2016, quando Heard tentou abraçar o ex-marido e este recusou, dizendo-lhe: "Não sou nada para ti e nunca serei. Nunca mais verás os meus olhos".

O caso, que começou a 11 de abril, deve durar seis semanas a ser julgado. Ao longo de quatro dias, Johnny Depp prestou depoimento, sendo confrontado com mensagens, vídeos e áudios das discussões entre o casal. Já Amber Heard começou a ser ouvida a 5 de maio.

Neste processo de difamação, Depp exige 46 milhões de euros à ex-mulher, tendo a atriz avançado com acusação semelhante, mas exigindo 93 milhões. 

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Artes

Mais Artes

Patrocinados