"A não ser que ela tivesse filmado enquanto ele lhe batia, ninguém vai acreditar nela". Como a advogada de Amber Heard acusa o júri de se deixar levar pela "riqueza, poder e fama" de Johnny Depp

CNN , Sonia Moghe e Lisa Respers France
4 jun, 10:21
Elaine Bredehoft e Amber Heard. 
Steve Helber/AP

A advogada de Amber Heard diz acreditar que o júri no caso de difamação movido contra a atriz pelo seu ex-marido Johnny Depp estava "confuso", e Heard tenciona recorrer do veredito.

Tanto Heard como Depp foram considerados culpados de difamação na quarta-feira, em processos judiciais um contra o outro. Contudo, o júri reconheceu significativamente mais danos a Depp.

A advogada de Heard, Elaine Charlson Bredehoft, disse no programa “Today” que "uma enorme quantidade de provas" que teriam ajudado o caso de Heard foram suprimidas durante o julgamento.

"Isso é porque ela foi demonizada aqui", disse Bredehoft sobre o veredicto. "Foram permitidas várias coisas neste tribunal que não deveriam ter sido permitidas, e isso fez com que o júri ficasse confundido."

Numa entrevista posterior a Kate Bouldan, da CNN, Bredehoft disse que o júri decidiu a favor de Depp em cada uma das suas reivindicações, em parte, porque ele tinha as vantagens de "riqueza, poder e fama".

"Acho que isso fez uma enorme diferença neste caso. Mas também disse que não vamos acreditar nas mulheres mesmo quando têm fotografias", disse. "Basicamente, a não ser que ela tivesse tirado o telemóvel, o iPhone e filmado enquanto ele lhe batia, ninguém vai acreditar nela, não aconteceu."

Depp processou Heard em 50 milhões de dólares ao alegar que ela o difamou com um artigo de opinião no “Washington Post”, em 2018, onde ela escreveu sobre a sua experiência com violência doméstica. Depp não foi mencionado diretamente na peça de Heard, mas ele argumentou que lhe custou trabalho.

Ela moveu um contra-processo contra ele de 100 milhões de dólares devido a declarações que a advogada de Depp fez, onde diz que as alegações de maus-tratos são uma "farsa".

O júri considerou que Heard difamou Depp em três declarações separadas no artigo de opinião, e que Depp difamou Heard com uma declaração da sua advogada.

O júri atribuiu a Depp 10 milhões de dólares em indemnizações compensatórias e 5 milhões de dólares em indemnizações punitivas, que estão limitadas a 350 mil dólares na Virgínia. O júri atribuiu a Heard 2 milhões de dólares em indemnizações compensatórias e nenhum dinheiro em indemnizações punitivas.

A CNN também pediu uma entrevista com um advogado de Depp, mas estes recusaram.

Planos para um recurso

Depp disse num comunicado pouco depois do veredicto que o júri lhe devolveu a vida.

"Desde o início, o objetivo deste caso era revelar a verdade, independentemente do seu desfecho. Falar a verdade era algo que eu devia aos meus filhos e a todos aqueles que permaneceram firmes no apoio que me demonstraram", pode ler-se no comunicado de Depp. "Sinto-me em paz sabendo que finalmente consegui isso."

Bredehoft disse à CNN que sentiu que a combinação de câmaras e o número de fãs de Depp que foram ao tribunal para o julgamento por difamação do ex-casal transformaram a sala de audiências em algo que "parecia um coliseu".

"Acho que parte disso teve que ver com a quantidade de redes sociais que esteve envolvida, as câmaras na sala de audiências", disse Bredehoft. "O facto de terem 100 fãs de Depp lá todos os dias, era como um coliseu em oposição a um tribunal digno. Acho que todas essas coisas tiveram aqui uma influência negativa que fez com que isto fosse muito mais desafiante e muito mais difícil."

Bredehoft disse ainda que, embora não tenha dúvidas de que os jurados do julgamento tenham tentado respeitar as instruções da juíza para não lerem nenhuma notícia sobre o julgamento, considerou que teria sido difícil bloquear todos os locais onde decorriam discussões sobre as seis semanas do julgamento.

"Mas a realidade é que as redes sociais estão em todo o lado, estava em todas as televisões, nas rádios, na Internet, em todo o lado. Foi muito difícil bloquear isso. E como era tão mordaz para Amber, acho que tornou as coisas muito mais difíceis", disse Bredehoft.

Bredehoft disse que o recurso de Heard irá em parte concentrar-se em destacar a informação que Heard não foi autorizada a testemunhar durante o julgamento, contra a qual a equipa de Depp protestou como sendo “boatos”.

"Não questiono a imparcialidade da juíza. Acho que é uma boa juíza, conheço-a há muito tempo. Isso não significa que não questione as decisões dela, e questiono as decisões neste caso", disse Bredehoft.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados