"Isto não vai mudar a História. Não vai. Garanto-vos": revelados mais de 13.000 documentos classificados sobre o assassínio de John F. Kennedy

16 dez 2022, 15:29
John F. Kennedy (AP Photo)

Apesar da divulgação destes 13.173 documentos, existem outros milhares que ainda não foram partilhados publicamente por razões de segurança nacional

Os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos divulgaram quinta-feira mais de 13.000 documentos classificados sobre o assassínio do antigo presidente John F. Kennedy em 1963, em Dallas, no Texas. De acordo com a CNN Internacional, este é o segundo de dois despejos que Joe Biden ordenou no ano passado, depois de a Casa Branca ter adiado a sua divulgação pública por causa da pandemia de covid-19.

"A profunda tragédia nacional do assassínio do presidente Kennedy continua a ressoar na história da América e nas memórias de tantos americanos que estavam vivos naquele dia terrível. Entretanto, a necessidade de proteger os registos relacionados com o assassínio enfraqueceu com o passar do tempo", escreveu a Casa Branca num comunicado divulgado esta quinta-feira.

Nessa mesma nota, Joe Biden refere que é "fundamental garantir que o governo dos Estados Unidos maximiza a transparência, divulgando toda a informação registada sobre o assassínio", exceto se existirem "razões mais fortes" que recomendem o contrário. 

A morte de Kennedy gerou uma onda de perguntas entre a população e entre os investigadores do caso. Surgiram muitas teorias da conspiração e obrigou a um sigilo por parte do governo norte-americano. A Comissão Warren, que investigou o caso, concluiu que o ex-atirador da Marinha Lee Harvey Oswald foi quem disparou contra o 35.º presidente dos Estados Unidos e agiu sozinho. 

Agora, com esta nova divulgação de informação, os investigadores já disseram que vão demorar uns dias até conseguirem analisar passar todos os documentos de forma a garantir se há ou não novas pistas sobre o assassínio ou novas informações sobre as operações da Central Intelligence Agency (CIA) e do Federal Bureau of Investigation (FBI) nos anos 60.

Apesar da divulgação destes 13.173 documentos, existem outros milhares que ainda não foram partilhados publicamente por razões de segurança nacional.

O autor do livro "The Kennedy Half Century: The Presidency, Assassination, and Lasting Legacy of John F. Kennedy" disse à CNN Internacional que, embora estes documentos possam esconder um ou outro detalhe importante sobre aquilo que se passou a 22 de novembro de 1963, isso "não vai mudar a História". "Não vai. Garanto-vos."

Larry Sabato acredita mesmo que as pessoas só estão a tentar procurar provas que apoiem as teorias da conspiração de que Lee Harvey Oswald não agiu sozinho ou de que a CIA estava de alguma forma envolvida no crime. 

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados