Biden pede afastamento de Putin: "Pelo amor de Deus, este homem não pode permanecer no poder"

26 mar, 18:20

Num discurso muito aguardado na capital polaca, Biden disse que Vladimir Putin "não pode continuar no poder" e que a economia russa vai perder metade da sua dimensão

A discursar em Varsóvia, após um encontro com o presidente polaco, Andrej Duda, o presidente norte-americano disse que o presidente russo, Vladimir Putin, não pode continuar como líder da Rússia.

"Pelo amor de Deus, este homem não pode permanecer no poder", disse Biden na conclusão do discurso no Castelo Real de Varsóvia.

Esta foi a primeira vez que o presidente norte-americano apelou à mudança do regime em Moscovo, após várias declarações da Casa Branca de que uma mudança de poder na Rússia não era o objetivo. "Para nós, não se trata de mudança de regime. O povo russo tem que decidir quem quer liderá-lo", disse o secretário de Estado Antony Blinken no início deste mês.

Moscovo já reagiu às declarações do presidente norte-americano. Citado pelo correspondente da CNN Internacional em Berlim, Frederik Pleitgen, o porta-voz de Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a decisão de afastar Putin não cabe ao presidente norte-americano, mas sim aos cidadãos da Federação Russa.  

A Casa Branca já veio a público esclarecer as declarações do presidente norte-americano que disse que Vladimir Putin "não pode continuar no poder", sublinhando que Joe Biden não estava a apelar a uma mudança de regime. 

"A longa batalha que se avizinha"

Joe Biden, alertou que "esta batalha" não será ganha em "em dias, nem mesmo meses" e que o Ocidente precisa de se "preparar para a longa batalha que se avizinha”. 

"Ressurgimos na grande batalha pela liberdade, uma batalha entre democracia e autocracia, entre liberdade e repressão... Nesta batalha, precisamos ter a visão clara. Esta batalha também não será vencida em dias ou meses. Temos de estar preparados para a longa luta pela frente", frisou.

Depois de ter classificado Putin como "um carniceiro", esta tarde, Biden voltou a tecer duras críticas ao presidente russo, apelidando-o de "mentiroso" e "cínico" por apontar a NATO como uma aliança que ameaça a Rússia. 

“O Kremlin quer retratar o crescimento da NATO como um projeto imperialista, com o propósito de destabilizar a Rússia. Nada poderia estar mais afastado da verdade. A NATO é uma aliança defensiva”, afirmou Biden.

Biden reforçou ainda que as forças norte-americanas em território europeu estão presentes para defender os países que pertencem à NATO e volta a alerta a Rússia: "Não vamos ceder um único centímetro de território da NATO". 

Promessas ao povo ucraniano

O presidente norte-americano disse ainda que os EUA não vão abandonar o povo ucraniano e que a administração Biden está preparada para apoiar a Ucrânia.

"Minha mensagem ao povo da Ucrânia é uma mensagem que entreguei hoje ao ministro das Relações Exteriores e ao ministro da Defesa da Ucrânia, que acredito estarem aqui esta noite: Estamos com vocês. Ponto final", reforçou Joe Biden durante um discurso na capital polaca.

Ainda durante o seu discurso em Varsóvia, Joe Biden garantiu ainda que a economia russa vai perder metade do seu tamanho nos próximos anos, passando da 11.ª maior economia do mundo para nem sequer entrar no top 20, após as sanções aplicadas pelo ocidente.

“A economia russa está a caminho de ser cortada pela metade nos próximos anos. A economia russa estava classificada como a 11ª maior economia do mundo antes desta invasão, em breve nem estará entre as 20 maiores”, disse o presidente norte-americano.

Biden acrescentou ainda que as fortes sanções económicas aplicadas pelos países da NATO transforam o rublo em escombros que “o culpado é Vladimir Putin”.

Biden chama “carniceiro” a Putin e garante: artigo 5 da NATO "é sagrado"

Horas antes, durante um encontro com refugiados ucranianos na capital polaca, o presidente americano protagonizou um dos principais momentos do dia ao referir-se a Vladimir Putin como “um carniceiro”.

Joe Biden está de visita à Polónia, onde já se reuniu com o presidente polaco Andrzej Duda e ainda com os ministros ucranianos dos Negócios Estrangeiros e da Defesa.

O presidente dos Estados Unidos avisou hoje a Rússia que o artigo 5 da NATO "é sagrado", referindo-se às linhas vermelhas da organização sobre o ataque a um Estado-membro. Em Varsóvia, onde se reuniu com o presidente polaco, e participou ainda num encontro com os ministros ucranianos dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, Joe Biden reafirmou que a estabilidade na Europa é muito importante para os Estados Unidos.

"A NATO permanece absolutamente e completamente unida, não há separação de pontos de vista. Façamos o que fizermos, fazemos em uníssono", afirmou.

O presidente norte-americano disse igualmente que Vladimir Putin “contava com uma NATO dividida", mas que essa divisão não se verificou.

Biden está em visita à Polónia depois de ter participado em três cimeiras, da NATO, do G7 e da União Europeia, em Bruxelas, centradas na invasão russa da Ucrânia

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados