Biden diz que Ian “pode ser o furacão mais mortífero na história da Florida”

CNN Portugal , FMC
29 set, 21:10

Presidente dos Estados Unidos diz que os números de vítimas mortais não são ainda claros, mas assume "uma perda substancial de vidas"

O presidente dos Estados Unidos afirmou esta quinta-feira que os relatórios sobre a destruição causada pela passagem do furacão Ian, que está a atravessar o Estado da Florida, indicam uma “perda substancial de vidas”, ainda que os números ainda não sejam claros.  

Joe Biden esteve na sede da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA na sigla inglesa), quando assumiu ainda que o Ian poderá ser “o furacão mais mortífero na história da Florida”. 

“Ainda está a atravessar o Estado hoje [quinta-feira]. Poderá ser o furacão mais mortífero na história da Florida. Os números ainda não são claros, mas estamos a ouvir relatos iniciais do que pode ser uma perda substancial de vidas”, afirmou.  

O presidente dirigiu-se, depois, a toda a população, apelando à união. “Em alturas como estas, a América junta-se. Vamos unir-nos como uma equipa, como uma América.” 

No final deixou ainda uma promessa. “Mesmo que demore muito tempo, vamos lá chegar. Esse é o meu compromisso para convosco.”  

As palavras de força foram reiteradas e reforçadas na conta de Twitter, onde acrescentou ainda que é tempo de “pôr de lado as diferenças”, assegurando que o “governo dos EUA vai lá estar” para o que for necessário.  

Na terça-feira, Biden já tinha alertado que o Ian “poderia ser um furacão muito violento, cujo impacto seria devastador e colocaria vidas em risco”.

O furacão Ian tem deixado um vasto e catastrófico rasto de destruição pelo Estado da Florida, arrasando casas, carros e deixando ruas submersas. Com ventos que chegaram a atingir 240 quilómetros por hora e chuvas fortes, o fenómeno deixou mais de dois milhões de casas sem energia e tem dificultado o trabalho das equipas de resgate.

Neste momento, o furacão já perdeu intensidade, sendo classificado como tempestade tropical, embora as autoridades alertem que o perigo se mantém. 

Os governadores da Virgínia, Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte declararam preventivamente estados de emergência, uma vez que os meteorologistas previram que o Ian passará por aqueles Estados. 

Anteriormente, o furacão Ian já havia passado por Cuba, matando duas pessoas e derrubando a rede elétrica daquele país.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados